Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

Campanhas

Uma manchete na página A7 (poder) da Folha de São Paulo, edição de hoje, chamou-me a atenção: "Alckmin institui 'gabinete antiprotesto'"; a manchete menor prendeu mais ainda a minha atenção: "Palácio dos Bandeirantes monitora manifestações organizadas nas redes sociais e muda agenda do governador".
Como eu frequento as tais redes sociais (Facebook, Orkut, Twitter) e tenho este blog, fiquei com a curiosidade mais aguçada porque entre os meus amigos no Facebook - tenho apenas 112 - não há tais movimentos que cheguem a incomodar quem está no poder. Eu mesmo tenho postado algumas "denúncias", apontando - e com fotos - buracos nas vias públicas, automóveis estacionados irregularmente e outras mazelas cuja existência muitas vezes depende apenas do mau cidadão, às vezes do mau governante e por vezes de ambos, do mau cidadão e do mau governante. Hoje mesmo postei uma foto no Facebook e o título era "torpeza bilateral" em que aparecem dois veícul…

Variedades

Como eu sou fã de tênis, não poderia deixar de dizer algumas palavras daquele que já está classificado como o jogo mais longo em matéria de final de Grand Slam: durou 5h53m e desenvolveu-se em 5 sets. Não assisti ao jogo inteiro porque não sou fã de nenhum dos dois envolvidos, Nadal e Djokovic. O estilo de jogo de ambos - fundo de quadra - não é agradável de se assistir. Torna-se por vezes monótono ambos trocando bolas a partir do fundo da quadra. Sou mais fã do estilo saque/voleio, que teve grandes representantes, tais como John McEnroe e Pete Sampras. Este estilo de jogo está desaparecendo do circuito da ATP, assim como são poucos os tenistas que hoje batem de esquerda com uma só mão.
Mudando de tema, a polêmica da abolição do uso das "sacolinhas" parece interminável. A campanha em Campinas, posta em "outdoors" especialmente, tinha como mote "vamos tirar o planeta do sufoco" e todo mundo sabe quanto tempo demora para a degradação desse plástico. Pois be…

Cinema e tênis

Para um cinéfilo - esta semana já fui ao cinema 4 vezes - (favor não confundir com cinófilo [pessoa que gosta de cães], que não é o meu caso; já gostei de cães, tive vários e de raça [beagle e fila, por exemplo,], mas, morando em apartamento, é difícil ter animais) como eu, sexta-feira é o melhor dia da semana, pois é o dia em que estreiam os filmes em Campinas. Alguns, como eu já disse outro dia, vêm em pré-estreia, com horários malucos (por exemplo, uma sessão às 21,30h, como é o caso, hoje, do "Precisamos falar com o Kevin"); outros, já vêm em horário normal.
Esta semana, em horário normal, estão "Os descendentes", "Millenium" e "J. Edgar". Este, dirigido por Clint Eastwood e estrelado por Leonardo DiCaprio (todos "esquecidos" nas indicações ao "Oscar"), é, por assim dizer, uma biografia de J. Edgar Hoover, o homem que praticamente criou o FBI e o dirigiu por 48 anos, instalando um poder paralelo dentro do Estado. É citado …

O natimorto

Ela tinha pouco mais de 18 anos e trabalhava como empregada doméstica num apartamento localizado na avenida Julio de Mesquita, Cambuí. Morava no local. A família para quem ela trabalhava era composta de pai, mãe e dois filhos, bem pequenos. O casal era muito católico.



Ela conheceu um rapaz e iniciaram um namoro. Engravidou. O namorado desapareceu. Ela conseguiu ocultar a gravidez dos patrões durante todo o tempo, até dar à luz, quando ocorreu o fato que foi classificado como crime de infanticídio.
Um final de semana, o casal foi participar de um retiro espiritual, com início na sexta-feira e término no domingo. Ela ficou com as crianças. Nesse final de semana, sentiu as contrações – e as dores também – do parto. Foi ao banheiro. Deu à luz. Desesperada, asfixiou o recém-nascido[1]. Foi à cozinha. Apanhou uma faca. Retornou ao banheiro. Tentou desmembrar o bebê. Não conseguiu. Pôs o corpo, com as marcas das tentativas de corte, num saco de plástico daqueles para acondicionar lixo e o embr…

Diversas

Ontem, a Academia anunciou a relação dos indicados ao Oscar e, infelizmente, alguns dos filmes não foram ainda exibidos no Brasil. Eis a lista:
"O Artista"
"Os Descendentes"
"Histórias Cruzadas"
"A Invenção de Hugo Cabret"
"Meia-Noite em Paris"
"O Homem que Mudou o Jogo"
"Cavalo de Guerra"
A Árvore da Vida
“Tão forte e tão perto”
Apenas três foram exibidos no Brasil ("Meia-noite em Paris", "Cavalo de guerra" e A árvore da vida"), um ainda está em cartaz ("Cavalo de guerra"); um quarto filme está em pré-estreia, ou seja, naqueles horários malucos ("Os descendentes"), que, creio, sexta-feira entrará em horário normal (em Campinas, é na sexta-feira que entram filmes em exibição).
No primeiro grand slam do ano, Australian Open, as surpresas foram poucas: numa semi-final estarão Nadal contra Federer; na outra, Murray contra o vencedor do jogo entre Djokovic e Ferrer (…

Cidade sem lei

Cidade sem lei

Campinas há muitos anos é uma cidade sem lei, especialmente quando se tem em mente a aplicação das normas - em sentido mais amplo possível - municipais.
Fazia muito tempo que Campinas não tinha um prefeito que fizesse algo pela cidade, por mais ínfimo que fosse: conservar as praças, por exemplo. Até que veio o governo do "primeiro os que mais precisam" que fez o mínimo, tirando do papel certas construções, como, por exemplo, a rodoviária (a construção de uma nova rodoviária esperou décadas); fez outras pequenas obras como as estações de transferência de passageiros, a ciclovia, tudo que demanda pouco gasto de dinheiro. Fez, repetindo, o mínimo.
Porém, quanto ao mais, nada é feito. Tomo como exemplo a buraqueira que tomou conta da cidade. Este fato é apontado nas redes sociais atualmente, com fotos ilustrando esse estado de abandono; a mídia também aponta isso e nada é providenciado pela prefeitura.
Há outro fato que demonstra descaso com a cidade: as placas de pro…

Finalmente, sexta-feira

Sexta-feira

A sexta-feira sempre é um ótimo dia porque sempre há estreias de filmes no circuito campineiro. O chato são as pré-estreias, com horários malucos (estilo 21,40h). Nesse perfil se encaixa o filme "Os descendentes", com George Clooney, recentemente premiado com o "Globo de Ouro".
Como estreia há o "clássico" "O espião que sabia demais", com os ótimos ingleses Gary Oldman e Colin Firth (Oscar por "O discurso do rei"), baseado numa obra do também ótimo John LeCarré.
Outra boa opção (estou me sentindo Rubens Ewald Filho) é o filme "As aventuras de Tintim", dirigido pelo premiado Steven Sielberg. Baseado nos quadrinhos do escritor belga Hervé, creio que valerá a pena ver.
Outra opção baseada em obras antigas, como as duas anteriores, é o filme "Sherlock Holmes: o jogo de sombras", com dois ótimos atores (Robert Downey Jr e Jude Law).
São três filmes que me fazem lembrar da minha infância em Jaú, de tão antigas são …

Tênis brasileiro

Mais um brasileiro, desta vez Ricardo Mello, foi eliminado do Australian Open. Como era esperado, ele foi eliminado por Jo-Wilfried Tsonga, por três sets a zero. Não foi tão feio, porque Ricardo conseguiu fazer alguns "games".
Neste exato momento, o terceiro - e último - brasileiro, Thomaz Bellucci, foi eliminado por outro francês, Gael Monfils, por três "sets" a um.
É lamentável que num país que teve um jogador do porte do Guga, o tênis esteja presentemente "jogado às traças". Guga é um dos maiores jogadores de todos os tempos, estando no panteão dos vencedores. Ficou por 42 semanas como número um do mundo e abocanhou 12 milhões de dólares apenas em premiação (excluída a verba de patrocínio). Foi o único sul-americano a conseguir a proeza de permanecer tanto tempo na liderança do ranking (antes dele, Marcelo Ríos - chileno - havia sido o primeiro, porém de forma efêmera).
Para traçar uma comparação que incomoda: a Argentina tem 6 entre os 100 primeiros do …

Ainda o estupro

Ainda o estupro

Ontem eu fiz algumas (poucas) observações sobre as modificações introduzidas no Código Penal pela lei 12.015, de 2009. A que eu apontei ontem foi aquela que criou a figura do "estupro de vulnerável". Essas três figuras nada mais eram do que as presunções de violência. Estas presunções - havia unanimidade na doutrina a partir da opinião do presidente da comissão, ministro Nélson Hungria, que preparou o projeto do CP de 1940 -  eram "relativas", em jargão antigo, ""juris tantum". Nesse mesno sentido incontáveis vezes o STF se manifestou. Com a reforma, elas deixaram de ser algo circunstancial aplicável a um tipo penal e passaram a ser o próprio tipo penal.
Outra modificação diz respeito à ação penal: antes da reforma de 2009, o estupro era um tipo penal peerseguível por ação penal privada (regra), ação penal pública condicionada e ação penal pública incondicionada (exceções). A partir da reforma, passou a ser de ação penal pública cond…

Terça-feira

Mais um dia em que a chuva promete estar presente; ao menos, ameaça.
As boas notícias: Bellucci derrotou o seu algoz (que o havia vencido nos dois conrontos anteriores, um deles no US Open), o israelense Dudi Sela; má notícia: na próxima fase enfrentará o francês Gael Monfils. Ricardo Mello também venceu e na próxima fase enfrentará o francês Tsonga. O terceiro brasileiro, João Souza, o "Feijão", foi derrotado. A não ser que ocorra um milagre, em breve o Brasil não terá mais nenhum jogador no Australian Open.
Algo que tem chamado a atenção da mídia - o que é lamentável - é o tal "estupro" de que teria sido vítima uma participante desse lixo chamado "BBB". Se George Orwell fosse vivo, certamente desencarnaria ao ver o uso que estão fazendo com o nome criado por ele. Mas servirá para demonstrar o absurdo da legislação penal a partir da reforma realizada no ano de 2009, pela lei n° 12.015. A participante teria sido submetida a conjunção carnal enquanto estav…

Segunda-feira sem chuva

Depois de muita ameaça de chuva - e os metereologistas afirmavam que choveria -, parece que o dia se encerrará sem "precipitações" (para usar o jargão antigo). Foi possível dar uma "esticada" até a praça para ler mais um pouco o livro "Steve Jobs", de Walter Isaacson. É interessante conhecer a história do criador da Apple, do iPad, iPod, iPhone e do primeiro dos "ultrabooks", o MacBookAir, o primeiro dos "notes" mais finos. É impossível, ao conhecer a sua história, não fazer uma comparação com a de um dos criadores do Facebook, Mark Zuckerberg (um dos criadores porque o brasileiro Eduardo Saverin ajudou na concepção desse "produto") e pode-se concluir que ambos foram pessoas que, a par das criações magníficas que tiveram, eram difíceis de caráter: ambos, em suas trajetórias, pisaram em outras pessoas.
O livro sobre Jobs explica até o porque do símbolo da Apple ser uma maçã mordida. Não se pode esquecer que outros gênios, dest…

Segunda-feira cinzenta

Pior início de semana como este só haveria se estivesse chovendo. Não está e por pouco. A cor cinzenta do céu mostra que as chuvas poderão vir. E o "site" Weather Channel prevê para Campinas "tempestades esparsas", com possibilidade de chuva de 60%.
Numa típica segunda de janeiro, os cinemas estão exibindo em sua maioria filmes infantis, as famosas "animações"; além disso, o programa do campineiro nas férias é ir aos shoppings, de forma que estarão esses centros praticamente lotados.
O que há de bom é que a ESPN HD está mostrando ao vivo os jogos do Australian Open; acabei de ver Federer "liquidar" um russo de nome esquisito: Kudryavtsev, por 3 sets a 0. E na madrugada vi Del Potro vencer um francês, Mannarino, por 3 sets a 1. Agora o canal está exibindo Wozniacki (primeira na WTA) contra Rodionova. Pena que a diferença de horário impeça assistir a outros jogos.

BO

Hoje, domingo, 15/1/12, a FSP, caderno ILUSTRÍSSIMA, traz uma matéria interessante plublicada originariamente no "The Guardian", sobre uma política adotada no Texas, USA, em matéria de educação: crianças e adolescentes sendo tratados como criminosos.
Duas passagens pareceram interessantes: em primeiro lugar, pais que não dão aos filhos a educação mínima, sim, aquela para saber portar-se em sociedade, talvez - o artigo não sugere isso, nem dá a entender - esperando que os professores façam isso. Em segundo  lugar, que existem professores - e isto é facilmente verificável - que não têm a menor vontade de exigir disciplina em sala de aula. Estas conclusões talvez possam ser extraídas depois da leitura da (longa) matéria, mas - ainda talvez - as conclusões possam ser injustas. É certo que nos dias atuais os pais já não são mais "os primeiros professores", como se dizia - e era - antigamente: muitos preferem deixar a cargo dos mestres essa árdua tarefa de educar (não ap…