Pular para o conteúdo principal

Cinema e tênis

Para um cinéfilo - esta semana já fui ao cinema 4 vezes - (favor não confundir com cinófilo [pessoa que gosta de cães], que não é o meu caso; já gostei de cães, tive vários e de raça [beagle e fila, por exemplo,], mas, morando em apartamento, é difícil ter animais) como eu, sexta-feira é o melhor dia da semana, pois é o dia em que estreiam os filmes em Campinas. Alguns, como eu já disse outro dia, vêm em pré-estreia, com horários malucos (por exemplo, uma sessão às 21,30h, como é o caso, hoje, do "Precisamos falar com o Kevin"); outros, já vêm em horário normal.
Esta semana, em horário normal, estão "Os descendentes", "Millenium" e "J. Edgar". Este, dirigido por Clint Eastwood e estrelado por Leonardo DiCaprio (todos "esquecidos" nas indicações ao "Oscar"), é, por assim dizer, uma biografia de J. Edgar Hoover, o homem que praticamente criou o FBI e o dirigiu por 48 anos, instalando um poder paralelo dentro do Estado. É citado no livro (que serviu de base a um filme) "Inimigos Públicos". Sobreviveu a vários presidentes (talvez tivessem medo de defenestrá-lo?) e no filme há essa sugestão numa passagem.
Mudando de assunto, está chegando ao fim o Australian Open, o primeiro "grand slam" do ano. Um dos finalistas é Nadal, que bateu ontem Federer por 3 sets a 1. Federer vinha jogando como nos velhos tempos, ministrando aulas de tênis aos seus adversários, não lhes dando qualquer oportunidade, como fez com Del Potro. Chegou a abrir 4x1 contra Nadal no primeiro set, mas depois decaiu, e acabou vencendo no "tie-break". Perdeu os outros 3 sets. Parece que ele se amedronta quando joga contra o Nadal. O seu adversário sairá da partida Murray x Djokovic: o sérvio venceu o primeiro set e perdeu o segundo. Jogam agora o terceiro. Está com cheiro de "tie-break".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …