Pular para o conteúdo principal

Brasil Open 2012

Realiza-se em São Paulo, desde segunda-feira 13/2, em sua 12ª edição, o Brasil Open de Tênis, torneio da categoria 250 da ATP (ou seja, o ganhador obtém 250 pontos e aproximadamente 85.000 dólares). Até o ano passado realizava-se - inexplicavelmente (ou talvez, explicavelmente para alguns) - na Bahia, na Costa do Sauípe. Sem nenhum preconceito, óbvio, a Bahia não tem nenhuma tradição nesse esporte; além disso, como o turismo interno - todos sabem - é muito caro, era praticamente proibitiva a ida para assistir ao torneio. Fiz uma experiência no ano de 2009: pedi para uma agente de viagens cotar as despesas para assistir ao torneio na Costa do Sauípe e em Buenos Aires: este ficou mais barato e não tive dúvida, indo para lá assistir aos jogos. Ademais, apenas os hóspedes do resort podiam assistir aos jogos. As quadras ficavam às moscas.
Segundo dizem, por praticamente coincidirem neste ano o torneio e o carnaval, aproveitou-se o pretexto para tirá-lo de lá e trazê-lo para São Paulo, pois o governo da Bahia, poderoso patrocinador, optou pelo carnaval. Graças a Deus.
Fui ontem assistir aos jogos das quartas de final e fiquei impressionado com a grandiosidade do evento. Foi construída uma quadra de saibro dentro do Ginásio do Ibirapuera e ele estava todo arrumado sem nada dever aos torneios do mesmo nível realizados em outros países.
Disputaram o torneio jogadores que já estiveram entre os "top ten": Giles Simon, Juan Carlos Ferrero, Davi Nalbandian, Fernando Verdasco, Nicolás Almagro. Nas quartas de final jogaram Almagro (este venceu) contra Berloq, Verdasco contra Ramos (este venceu); Volandri (vencedor) contra Nalbandian e Bellucci (vencedor) contra Mayer. Para lembrar: Nadal foi o vencedor da edição de 2005.
Um único senão: o povo brasileiro, o mesmo que joga e gosta de tênis, não está ainda preparado para assistir as partidas desse tão lindo esporte: comporta-se como se estivesse um estádio de futebol, ofendendo os jogadores (vi isso em Miami, 2010 - um torcedor brasileiro, no jogo Almagro contra Bellucci, ofendia o espanhol e quase foi retirado do "grand stadium"), faltando pouco para ofender a mãe do juiz. Movimenta-se durante a disputa do ponto, fala ao celular.
Depois de assistir aos jogos das quatras de final deste ano, já estou ansioso para que o do próximo ano chegue logo. Mas antes assistirei ao ATP 1000 de Miami.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …

Tráfico de influência (ou exploração de prestígio)

O Código Penal continha originalmente duas formas do crime de exploração de prestígio, ambas descritas no Título XI da Parte Especial (“crimes contra a Administração Pública”), porém em capítulos diferentes. A primeira modalidade estava no capítulo II desse Título (“crimes praticados por Particular contra a Administração Pública”), mais precisamente no artigo 332, cujo teor era o seguinte: “obter, para si ou para outrem, vantagem ou promessa de vantagem, a pretexto de influir em funcionário público no exercício de função”; a pena era de reclusão, de 1 a 5 anos, mais multa. E o parágrafo único era assim: a pena é aumentada de 1/3 se o agente alega ou insinua que a vantagem é também destinada ao funcionário público”. A outra forma estava descrita no capítulo III (“crimes contra a Administração da Justiça”)do mesmo Título XI; seu conteúdo estava no artigo 357, com a seguinte descrição típica: “solicitar ou receber dinheiro ou qualquer outra utilidade, a pretexto de influir em juiz, jurad…