Pular para o conteúdo principal

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas:
1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época escravizados... quando estava chegando o fim do domingo, eles diziam entre si: “vamos dormir cedo pq amanhã é dia de branco”, ou seja, amanhã é dia de trabalhar para os senhores Brancos... e assim ficou!!! quero deixar claro q não sei se essa historia é verídica!”; 
3. “É porquê segunda-feira é regida pela lua cuja cor é branca, ja a terça-feira é regida por marte cuja cor é vermelha ….. Fonte(s): astrologia”.
A eleita como a melhor resposta foi a primeira e a meu ver é porque ela pretende ser “politicamente correta”: ela não dá nenhum fundamento à explicação. A segunda é mais coerente e a terceira, embora fundamentada na Astrologia, tem explicação também na língua espanhola: segunda-feira em espanhol é "lunes" - Lua (que é branca, prateada), e terça-feira é "martes" - Marte (o planeta vermelho).
Um jornal local - METROCAMPINAS - trouxe, numa das edições da semana passada, uma nota que noticiava que o inquérito policial instaurado a pedido de uma associação pela suposta prática do crime de racismo por um vereador fora arquivado. Delito do vereador: dizer que Campinas estava "negra" por conta das ações dos pichadores.
Os tempos atuais se mostram assim: certas expressões e manifestações são vistas por algumas pessoas (físicas ou jurídicas) como racistas e pede-se a punição do suposto acusado. Se ele estiver morto e, portanto, não puder mais ser punido e a suposta ofensa estiver eternizada em algum escrito, "corrige-se" o escrito, não importando o contexto histórico em que ele tenha sido produzido.  O fenômeno, desgraçadamente, não é apenas nacional: nos EUA, um livro de Mark Twain foi reeditado e foram suprimidas palavras e expressões ofensivas aos negros, embora cabíveis naquele contexto histórico. Já se tentou isso com relação às obras de Monteiro Lobato. Mas isto merece um texto novo, o que será feito em breve.
O que eu queria dizer é que esse "politicamente correto" é muitas vezes uma máscara para que se pratique uma verdadeira "caça às bruxas" (que estas não queiram me processar  por preconceito...).




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …