Pular para o conteúdo principal

Lindemberg

Charles A. Lindbergh foi um heroi estadunidense, assim considerado após realizar o primeiro voo solo entre o continente americano e o continente europeu sem escalas. Isso se deu no ano de 1.927. Casou-se com a filha de um senador. No ano de 1.932, um dos filhos do casal, Charles Jr. foi sequestrado e morto. O acusado, Bruno Hauptmann, foi processado e condenado à morte (embora alegando inocência até o último momento). Este trágico episódio é abordado de passagem no filme "J. Edgar"; como se sabe, foi John Edgar Hoover praticamente o criador do FBI e seu diretor por 48 anos. Foi um dos primeiros casos em que a polícia federal estadunidense teria atuado cientificamente na sua solução.
Mas não é desse Lindbergh que eu quero falar - o que me daria extremo prazer, pois utilizo o caso da extorsão mediante sequestro ("kidnapping") de que foram vítimas ele e seu filho (Charles Sr. vítima da extorsão; Charles Jr. vítima do sequestro - a extorsão mediante sequestro é um delito que tem duas vítimas; três até, para os que se filiam à tese de que o Estado é sempre vítima, pois a ele cabe garantir a segurança dos cidadãos [no dizer de Carrara]) como exemplo prático em sala de aula.
É do Lindemberg, assim mesmo, aportuguesado (ou abrasileirado, se me permitem) e de seu julgamento: fazia muito tempo que eu não via tantos disparates proferidos pelos profissionais envolvidos num caso tão rumoroso. A começar pelas ofensas que eles trocam entre si. Um deles: a advogada de defesa teria dito que a juíza precisava "voltar a estudar". Imediatamente, foi ameaçada de ser processada por desacato pelo Ministério Público.
A advogada de defesa, além disso, profeiu esta pérola: "todos os BRASILEIROS têm direito a um julgamento justo". Não é isso: a Constituição garante que todos os cidadãos têm direito a um julgamento justo, não importando a sua nacionalidade. Imaginem se fosse como ela pensa e disse: um brasileiro comete um crime e tem direito a um julgamento justo; um chinês comete um crime (no Brasil, lógico) e não tem direito a um julgamento justo. Outra pérola: "essas notícias põem em risco a minha INTEGRALIDADE física".
Os profissionais envolvidos num julgamento devem ter preparo, que não precisa ser somente jurídico; é necessário que seja também emocional. Ou seja: não basta que se conheça o Direito Penal e os ritos processuais; é imprescindível que se mantenha o equilíbrio emocional, respeitando-se mutuamente. Quando não impera o respeito entre as partes, a vítima é sempre  a educação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto