Pular para o conteúdo principal

Politicamente correto

A atitude politicamente correta hoje pode, em alguns lances, ser comparada com a daquela pessoa que faz curso de enologia e depois passa a querer mostrar que é grande entendedora de vinho (foi apelidado de "enochato"). Ou de ex-fumante, que implica com qualquer fumaça perto de si.
Essa atitude - equivocada - de "politicamente correto", além de mostrar-se como uma "caça às bruxas", aparenta muita vez ser uma reedição do macartismo (aportuguesamento do "McCarthysm", como alusão ao senador estadunidense Joseph McCarthy, que presidiu uma comissão que "caçava" comunistas, inclusive com incursões em Hollywood [vejam o filme "Majestic" para ter uma pálida ideia]).
Alguém conhece o escultor Antônio Francisco Lisboa? Não? Ele é o famosíssimo "Aleijadinho" - e em breve não poderemos nos referir a ele por seu epíteto. Um dos maiores compositores de escola de samba do Rio tinha o apelido de "Beto Sem Braço" - por motivos óbvios. Uma música brasileira dos anos 60 (mais precisamente, 1966), chamada "Tem que rebolar", tinha um trecho assim: "moreninha linda, moreninha boa, quer se casar comigo, ser minha patroa/sai prá lá mulato, vê lá se me passo, me casar contigo é coisa que eu não faço/eu tenho a grana e a minha cor não pega". Era interpretada por dois ícones da MPB, Elizeth Cardoso e Cyro Monteiro. Impossível pensar nesses termos hoje. Vejam as reprises da "Escolinha do Professor Raimundo", que a Globo transmitia no início dos anos 90 e hoje é veiculada no canal Viva. Ali, Costinha contava as piadas sobre "as bichinhas". Não havia maldade. Hoje, os autores/eou intérpretes seriam chamados aos tribunais, com pretensões de punição, proibição de veiculação e danos morais.
Mas, como eu já disse, o movimento não é apenas nacional: nos EUA um dos maiores escritores, Mark Twain, teve uma obra - "As aventuras de Tom Sawyer", reeditada com supressão de trechos que ofendiam os negros. O mesmo se tentou - ou pelo menos, veiculou-se - com relação às obras de Monteiro Lobato, especialmente o famosíssimo "Sítio do Pica Pau Amarelo".
Isso tudo não é muito chato?



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …