Pular para o conteúdo principal

Chute no traseiro

 Depois que o secretário-geral da FIFA afirmou que o Brasil estava precisando de "um chute no traseiro", o brio nacional foi ferido (e não a parte posterior, onde o pontapé seria desferido...) e as reações foram emocionadas e indignadas. De minha parte, não vejo nenhuma vantagem no fato do Brasil sediar uma copa do mundo. Talvez seja porque eu não aprecie muito (quase nada) esse esporte.
Assisti a parte de uma entrevista em que a pessoa entrevistada - não consegui ver o seu nome, pois precisava sair para ministrar as aulas na Faculdade de Direito - apontava algumas "vantagens" da copa ser no Brasil: uma delas, a construção de vias de acesso aos estádios, o que, posteriormente, facilitaria o deslocamento de toda a população. Se essas mesmas vias levarem a outros lugares que não os estádios, tudo bem; o pior será se levarem apenas aos estádios.
O que é desanimador nesse episódio - o da realização da copa - é que o país precisa de tantas outras providências, inclusive a de construção de vias de acesso, que é inconcebível "enterrar" milhões de dólares em estádios e outras contruções quando a população se ressente de construções que são de necessidade primária, como escolas, hospitais, delegacias, presídios e muito mais.
 Outro fato me chamou a atenção: por descuido, ouvi uma entrevista do técnico do Corínthians na Rádio JovemPanAM, segunda-feira pela manhã, quando voltava de minha caminhada matinal, e ele reclamava da quantidade de cusparadas que recebeu durante o jogo contra o Santos; dizia ele que saiu fedendo do estádio tal a quantidade de cuspe que os torcedores do Santos dirigiram - e acertaram - a ele. Transferi o acontecimento para um jogo da copa, digamos, entre uma seleção de um país europeu, daqueles cujos treinadores vestem-se com terno, e imaginei o paletó estrangeiro recebendo catarradas e outras imundícies. Imaginei as brigas entre os torcedores (pensem num jogo Brasil x Argentina...), com cenas de selvageria e, quiçá, de morte.
Pois é: penso também que as autoridades brasileiras estajam a merecer um chute no traseiro para que acordem...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …