Pular para o conteúdo principal

Chute no traseiro

 Depois que o secretário-geral da FIFA afirmou que o Brasil estava precisando de "um chute no traseiro", o brio nacional foi ferido (e não a parte posterior, onde o pontapé seria desferido...) e as reações foram emocionadas e indignadas. De minha parte, não vejo nenhuma vantagem no fato do Brasil sediar uma copa do mundo. Talvez seja porque eu não aprecie muito (quase nada) esse esporte.
Assisti a parte de uma entrevista em que a pessoa entrevistada - não consegui ver o seu nome, pois precisava sair para ministrar as aulas na Faculdade de Direito - apontava algumas "vantagens" da copa ser no Brasil: uma delas, a construção de vias de acesso aos estádios, o que, posteriormente, facilitaria o deslocamento de toda a população. Se essas mesmas vias levarem a outros lugares que não os estádios, tudo bem; o pior será se levarem apenas aos estádios.
O que é desanimador nesse episódio - o da realização da copa - é que o país precisa de tantas outras providências, inclusive a de construção de vias de acesso, que é inconcebível "enterrar" milhões de dólares em estádios e outras contruções quando a população se ressente de construções que são de necessidade primária, como escolas, hospitais, delegacias, presídios e muito mais.
 Outro fato me chamou a atenção: por descuido, ouvi uma entrevista do técnico do Corínthians na Rádio JovemPanAM, segunda-feira pela manhã, quando voltava de minha caminhada matinal, e ele reclamava da quantidade de cusparadas que recebeu durante o jogo contra o Santos; dizia ele que saiu fedendo do estádio tal a quantidade de cuspe que os torcedores do Santos dirigiram - e acertaram - a ele. Transferi o acontecimento para um jogo da copa, digamos, entre uma seleção de um país europeu, daqueles cujos treinadores vestem-se com terno, e imaginei o paletó estrangeiro recebendo catarradas e outras imundícies. Imaginei as brigas entre os torcedores (pensem num jogo Brasil x Argentina...), com cenas de selvageria e, quiçá, de morte.
Pois é: penso também que as autoridades brasileiras estajam a merecer um chute no traseiro para que acordem...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …