Pular para o conteúdo principal

Direito de resposta

O Supremo Tribunal Federal, numa ADPF - ação de descumprimento de preceito fundamental -, ajuizada pelo PDT, reconheceu que a lei de imprensa não foi recepcionada pela Constituição da República Federativa do Brasil, mas tal decisão não impede que alguns jornalistas sejam, por assim dizer, "punidos" (entre aspas mesmo). Num breve resumo, a lei de imprensa, que foi alcunhada de "entulho autoritário", é uma filha dileta do período militar (é a lei n° 5.250, de 1967) e tinha como finalidade, no aspecto jurídico-penal, punir os delitos cometidos por intermédio da imprensa. ao contrário do que se possa pensar, não tinha como objetivo punir jornalistas, mas todo e qualquer "abuso" cometido por intermédio da mídia: uma simples carta do leitor que supostamente ofendesse alguém poderia ser vista como um crime contra a honra por meio da mídia (calúnia, difamação e injúria).
A decisão da mais alta corte brasileira não criou um manto de impunidade, de forma que passassem a ser permitidas as ofensas por meio da mídia: os outros mecanismos legais continuaram vigentes. Os crimes contra a honra passaram a ser alcançados pelo Código Penal; algumas ofensas poderiam ser resolvidas no plano civil da indenização por danos morais.
Nesta semana e nas anteriores tivemos alguns casos que retratam o que estou dizendo aqui:
1) a revista VEJA foi condenada a pagar ao ex-presidente Collor a quantia de 500 mil reais por danos morais por tê-lo chamado numa reportagem de "corrupto desvairado"; a condenação deu-se no Superior Tribunal de Justiça;
2) a ex-senadora Heloísa Helena não teve reconhecido o direito a uma indenização por danos morais que moveu contra a colunistra Monica Bergamo e a FSP;
3) o jornalista Paulo Henrique "olá boa-noite" Amorim fez um acordo numa ação que lhe moveu o jornalista da Rede Globo Heraldo Pereira, pleiteando indenização por danos morais, por tê-lo chamado de "empregado do ministro Gilmar Mendes" e também de "afrodescendente"; além de pagar uma quantia - 50 mil reais - que Heraldo destinará a uma instituição de caridade, deveria retratar-se em seu blog e na FSP, mas, segundo recentes notícias, descumpriu o acordado;
4) o pastor evangélico eletrônico Silas Malafaia, numa ação movida pelo Ministério Público Federal, deverá retratar-se de ofensas que dirigiu aos homossexuais em seu programa de televisão (o pastor é conhecido pelo ódio que tem contra os homossexuais.
O que está acontecendo com essas pessoas? Perderam a capacidade de enxergar os limites entre a crítica e a ofensa?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …