Pular para o conteúdo principal

Trabalho do preso II

Ontem, ilustrei o texto com uma foto feita no interior de um presídio da região de Campinas após uma rebelião que quase o destruiu. Postei a foto para ilustrar o seguinte: tendo todo o tempo do dia, os presos escavam oo concreto e retiram os ferros das armações, construindo armas artesanais. Imaginem se a eles fossem dadas ferramentas com poder cortante, contundente ou perfurante.
Porém, há outro óbice na obrigatoriedade - em termos - do Estado atribuir ao preso um trabalho. O trabalho é obrigatório para o preso, mas o Estado deve atribuir-lhe um no limite das suas possibilidades. Se o Estado tivesse essa obrigatoriedade, estaria concorrendo com a mão de obra livre. Acresce notar que o trabalho é obrigatório aos presos que descontam a pena nos regimes fechado e semi-aberto. O trabalho externo no regime fechado é excepcional.
Ao ser promovido do regime fechado ao semi-aberto, o trabalho externo é mais condizente com a situação de, digamos, semi-liberdade. Já é possível, respeitados os limites legais, a atribuição de trabalho externo, seja em empresas particulares, seja em obras públicas. Campinas, por sua prefeitura, vive há muito tempo uma experiência interessante e produtiva: presos do regime semi-aberto (na cidade existem dois presídios para o cumprimento de pena nesse regime), os famosos calças-bege (para lembrar da letra da música "Diário de um detento" - "o país das calças bege" [Casa de Detenção]) trabalham em serviços geralmente braçais (capinando praças, por exemplo).
Um dos requisitos para ser promovido ao regime aberto (cumprido em casa do albergado ou outro estabelecimento similar, em que não existam obstáculos físicos à fuga) é que o preso esteja trabalhando ou que tenha possibilidade de fazê-lo brevemente. Como muitas vezes é difícil à pessoa não-condenada (ou que não esteja cumprindo pena) conseguir emprego, o que dirá de uma pessoa condenada e presa? Permitir que a pessoa tenha um tempo para obter uma ocupação é uma medida salutar e que vem sendo seguida pela Poder Judiciário.
Os condenados que cumprem pena privativa de liberdade nos regimes fechado e semi-aberto e que trabalham têm direito à remição: a cada 3 dias trabalhados pode-se remir 1 dia de pena. Foi uma novidade introduzida no direito brasileiro pela lei de execução penal, no ano de 1984.
Continuarei no tema amanhã.
Abaixo foto de sala de aula de um presídio da região.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …