Pular para o conteúdo principal

Trabalho do preso

A Folha de São Paulo de domingo, trouxe, no caderno ILUSTRÍSSIMA, o resumo de um livro que brevemente será publicado no Brasil pela Editora Intrínseca, de autoria da jornalista estadunidense Blaine Harden, chamado "Fuga do Campo 14". Narra a odisseia de Shin, "o único norte-coreano nascido em campo de trabalhos forçados que conseguiu escapar". O livro dá conta da existência de campos de trabalhos forçados na Coreia do Sul, em vários graus de sofrimento. O de número 14 é o mais severo: ali, os prisioneiros não recebem cuidados higiênicos mínimos, como, por exemplo escova de dentes e pasta dental, o que faz com que os seus dentes apodreçam. Só saem mortos - oue, mínima porcentagem, foragidos.
Ao final da leitura do resumo não dá para conter a vergonha de pertencer à raça humana, sabendo que existem pessoas que submetem os seus semelhantes a tal nível de desconsideração.
E não dá também para deixar de fazer uma comparação com uma ideia muito exposta no Brasil por pessoas que não entendem do assunto pena. É a ideia que a pessoa condenada a uma pena privativa de liberdade deveria trabalhar, e, de preferência, sem salário. Esse tema - trabalho do preso - sempre tirou o sono de quem milita no Direito Penal, pois é de todos sabido que "a ociosidade é a mãe de todos os males". Diz a lenda que os presos, por não terem ocupação - leia-se trabalho - durante o tempo de cumprimento da pena ficam todo o tempo pensando em malfeitorias que farão quando retornarem à liberdade. Trata-se de lenda.
O Código Penal, cuja Parte Geral é de 1984, trouxe como uma das novidades a obrigatoriedade do trabalho do preso. Mas, é de rasa compreensão, que é impossível atribuir trabalho a todos os encarcerados. Sabendo-se que as penas privativas de liberdade - reclusão e detenção - são cumpridas sob a forma de regimes, que são o fechado, o semi-aberto e o aberto, e que o primeiro é cumprido em penitenciária de segurança máxima ou média, o segundo cumprido em colônia agrícola, industrial ou similar, e terceiro é cumprido em regime aberto, casa do albergado, fica fácil atingir a conclusão que atribuir trabalho a todos os presos do regime fechado é tarefa hercúlea - para não dizer impossível. Por vários motivos: um presídio com 1.200 homens trabalhando teria que ter a extensão de um fábrica, falando-se apenas na extensão e não nas máquinas que deveriam equipá-la. Ademais: quais ferramentas poderiam os presos manusear sem que isso representasse uma ameaça aos funcionários do presídios e aos outros presos? Abaixo uma foto de armas artesanais que foram apreendidas em um presídio.
Amanhã continuarei o tema.
Silvio Artur Dias da Silva


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …