Pular para o conteúdo principal

Ainda a anencefalia

Ainda nâo foi publicado o acordão referente à decisão do Supremo Tribunal Federal quanto à permissão que a gestante de um feto anencéfalo terá para interromper a gravidez, se quiser. Aos mais apressados é forçoso dizer o óbvio (para lembrar Nelson Rodrigues: "ululante") que a gestante não está obrigada a interromper a gravidez: somente isso ocorrerá se ela quiser e com a concordância do pai. Nem que tal decisão importará em descriminalização do crime de aborto.
Alguns votos já estão disponíveis, dentre os quais o do relator, ministro Marco Aurélio, e pelo que se pôde observar pela dicção dos outros (7) que votaram a favor da procedência da ADPF 54 o fundamento é o princípio da dignidade da pessoa humana, um dos pilares do Estado Democrático de Direito. Conforme eu já disse neste espaço, durante anos fui o responsável pela elaboração dos pedidos para interrupção de gravidez na comarca de Campinas: é que eu atuava na Vara do Júri e ali se processavam os pedidos. 
O fundamento que o Juiz de Direito utilizava era a inexigibilidade de outra conduta como causa supralegal de exclusão da culpabilidade: não se podia exigir da gestante outra conduta que não fosse aquela de interromper a gravidez. Em minha opinião, o fundamento deveria ser outro, diferente deste e do utilizado pelos ministros do STF: se o feto não tem encéfalo, não há vida. O bem tutelado no crime de aborto é a vida intra-uterina, mas, como eu já disse aqui, uma vida intra-uterina que venha a se converter em extra-uterina. Ademais, no Brasil a lei de transplantes (n° 9.434/97, artigo 3°) estabelece que certos órgãos e partes da pessoa somente podem ser retirados depois de sua morte encefálica. Em outras palavras: a morteno Brasil dá-se quando ocorre a morte encefálica: não há mais vida a ser tutelada (óbvio que a mesma lei de transplantes criminaliza algumas condutas de ações praticadas contra o cadáver [como, por exemplo, no artigo 14, que pune com a pena de reclusão de 2 a 6 anos, e multa de 100 a 360 dias-multa, quem retira partes ou órgãos de cadáver em desacordo com a lei], mas já não se trata mais de proteção à vida).
O STF manifestou-se em mais um julgamento histórico e desta vez tardiamente: a crítica não vai a ele, que, como uma das características do Poder Judiciário, somente pode manifestar-se quando provocado, ou seja, quando alguém pede a sua manifestação. Aliás, mais uma vez o STF legislou, permitindo mais uma hipótese legal de interrupção da gravidez, porque os senhores parlamentares - como também eu já disse aqui - deixaram de aprovar projetos que ali tramitaram durante anos.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …