Pular para o conteúdo principal

Back to reality

É duro voltar à realidade, não apenas de ter que trabalhar, mas de constatar como é difícil viver num país de terceiro mundo, mas que, na visão dos governantes, é de primeiríssimo mundo: a sexta economia do mundo, não sei que lugar em número de helicópteros, de caixas eletrônicos e de não mais em liderança. No entanto, muitas pessoas utilizam como meio de transporte motocicletas e também como meio de trabalho; em cada esquina há alguém "trabalhando" com malabares ou simplesmente mendigando; em cada lugar onde ocorra qualquer evento - até nas proximidades de um cemitério - há os detestáveis guardadores de carros, também conhecidos como "flanelinhas"; não há "manos" trafegando em carros com o som em altíssimo volume.
Logo ao chegar em Campinas, por volta de meia-noite e meia, no Largo do Pará, quando me dirigia para o ponto de táxi, fui abordado por um mendigo que, chamando-me de "doutor", pediu "um trocado". Pensei na frase que é o título deste texto, que, apesar de antiga e meio "batida", eu a ouvi de uma pessoa que trabalhava no torneio ATP Sony Ericsson, ao saber que o estadunidense Andy Roddik fora eliminado, no dia seguinte ao que venceu Roger Federer, pelo argentino Juan Monaco por 7x5 e 6x0. Ele me perguntou o resultado e ao ouví-lo, disse: "back do reality".
Em primeiro mundo - e não estou me referindo apenas aos EUA, e sim também à França, Inglaterra e mesmo Argentina - não existem os famosos motoboys, que, tirando "fina" dos nossos carros, expõem as próprias vidas e a dos outros a perigo. As estatísticas demonstram que muitos condutores de motos envolvem-se em acidentes.
Em primeiro mundo também há mendigos, mas não em tão grande quantidade quanto nesta "sexta economia do mundo". Ademais, os pedintes de primeiro mundo não são tão digamos pedintes quanto os daqui. Vi no sábado uma mulher numa esquina com uma placa escrita "just hungry" - e nada mais. Anteriormente, havia visto um pedinte numa esquina com uma placa "homeless" (e, curiosamente, os mendigos de lá falam inglês...).
Eu já disse isto em texto anterior: nos eventos, não se vê a figura do famoso guardador de carro (vi um destes defronte a catedral de Santiago de Compostela - mas ele não assediava as pessoas como se faz aqui, em que eles praticamente constrangem as pessoas ao desembolso.
DEpois, já me preparando para dormir, por volta de 1h30m da madrugada, ouvi um som altíssimo vindo do carro de um "mano"  - e, como não poderia deixar de ser, música sertaneja (ou pagode ou outro lixo qualquer). Não se ouve tocando Frank Sinatra, Adele ou Michael Bublé.
Back to reality.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …