Pular para o conteúdo principal

A mãe da empregada


        Célia foi empregada doméstica na minha casa. Era uma boa empregada. Deixou emprego por conta própria - pediu demissão – pois iria mudar de ramo, provavelmente ser comerciária.
        Certa tarde, chegando à Vara do Júri para participar das audiências dos processos cujas defesas estavam a cargo da PAJ, encontrei-a ali e, depois dos cumprimentos, fiz-lhe a indefectível pergunta: “o que você está fazendo aqui?”. Ela respondeu-me que estava exatamente à minha espera, pois precisava falar comigo: a mãe dela  estava sendo processada e a acusação era de homicídio contra o marido (e pai de Célia). Fora presa e encaminhada ao presídio feminino; um advogado fora contratado e conseguira liberdade provisória para a mãe. Não tinham condições de contratar outro – ou, quiçá, manter o mesmo – para atuar na defesa da mãe. O caso seria defendido pela PAJ. Coincidentemente, pelo número final do processo, caberia a mim a defesa.
        Inteirei-me do caso: os pais moravam num barraco na famosa rua Moscou – na época, um local com um dos mais altos índices de criminalidade de Campinas. A mãe havia sido atropelada e ficara gravemente lesionada: havia fraturado o fêmur. Submetida a uma cirurgia, foram implantados pinos nesse osso e ela deambulava com o auxílio de uma bengala. O pai era alcoólico. Brigaram na cozinha. O pai, já alcoolizado, queria dinheiro para beber mais. A mãe negara. Ele a agredira, derrubando-o no chão. Ela, caída e com dificuldade de levantar-se por conta da deficiência que o acidente produzira, alcançou uma faca que estava na mesa. Armou-se. O primeiro golpe foi na perna. Ele caiu. Ela esfaqueou-o várias vezes. Matou-o. Não havia testemunha presencial.
        Minha primeira providência foi pedir que alguém levasse à PAJ todos os documentos médicos – radiografias, inclusive – para que eu requeresse a juntada de todos aos autos do processo. As testemunhas, na maioria parentes, relataram o atropelamento que a mãe sofrera, o vício da embriaguez do pai, as constantes brigas. 
        Feita a instrução criminal contraditória, a mãe – Aparecida – foi pronunciada; era impossível pensar em absolvição naquele momento processual.
        O julgamento foi desaforado para a Vara do Júri da comarca de Jundiaí. Fui atuar em sua defesa, excepcionalmente, pois a tanto não estava obrigado, já que minha atuação restringia-se à cidade de Campinas. Lá, o Juiz de Direito teria que nomear um dativo particular para defendê-la. Como já conhecia de sobejo o caso, fui. Nem foi preciso muito esforço: antes de iniciar-se a sessão de julgamento, conversando com o Promotor de Justiça que atuaria na acusação, disse-lhe que a tese de defesa – única, aliás – era o homicídio privilegiado: caso condenada, seria imposta a pena de 4 anos de reclusão, e, frente à primariedade da acusada, seria possível fixar o regime aberto desde o início. O Promotor concordou e antecipou-se à minha fala, requerendo ele mesmo o reconhecimento do homicídio privilegiado: os jurados à unanimidade assim decidiram e a pena privativa de liberdade – reclusão – foi imposta no mínimo legal, 4 anos, a ser cumprida integralmente no regime aberto.
        A sessão de julgamento durou muito pouco tempo e Aparecida pôde voltar de carona comigo. Além de defendê-la, servi-lhe como transportador. Ossos do ofício de quem atuava na PAJ.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …