Pular para o conteúdo principal

Os sons da cidade

Toda cidade deve ter um som que a caracteriza. Uma cidade praiana certamente terá o som das ondas quebrando na areia. Lembro de sons de algumas cidades: passávamos as férias em Descalvado, onde tínhamos parentes, e nos hospedávamos na casa de um tio que ea dono de uma tecelagem: o som das máquinas trabalhando caracterizou-me a cidade. O mesmo acontecia em Santa Bárbara d'Oeste, onde também tínhamos parentes: a casa de uma tia em que nos hospedávamos era vizinha de fundo de uma tecelagem. Na cidade em que nasci e morei até os 16 anos - Jaú - o som que me marcou era o do sino da igreja (morávamos muito perto de um colégio católico [Colégio São Norberto do Jahu - era assim que se grafava no nome da cidade]) chamando os fiéis para a missa ou simplesmente marcando as horas. Outro som característico da época era o sinal sonoro avisando que os portões do colégio seriam cerrados, tocado pontualmente as 12,25 horas, chamando-nos para as aulas.
O tempo passou, e os sons característicos foram substituídos pelos roncos dos motores, barulhos de escapamentos, da televisão, de "home theater", e, desgraçadamente, dos "manos" que equipam os seus carros com altofalantes de fazem vibrar os vidros de um apartamento de 15o andar. Semanas atrás, a VEJA São Paulo trouxe uma matéria sobre os ˜pancadões" de São Paulo e um dos carros apreendidos, um Palio, era equipado com altofalantes que produziam um som igual à da turbina de um jato decolando. Gostaria de saber como o motorista consegue ouvir o som sem ter os tímpanos rompidos.
Umberto Eco, em seu mais recente livro, "O cemitério de Praga", diz, pela boca do personagem, que não considera a música uma arte porque o seu desfrute pode incomodar os demais, pelo volume, o que não ocorre com outras artes, como a pintura, por exemplo, em que o desfrute é exercido pelo órgão da visão e silenciosamente. Senti literalmente na carne o que diz Umberto Edo quando fui submeter-me a uma sessão de fisioterapia por conta de uma lesão no tendão de Aquiles do pé direito: deitado de bruços na maca, com fios ligados ao local da lesão,  a pessoa que estava no mesmo ambiente em que eu, também sendo medicado, pôs-se a ouvir música evangélica em seu aparelho celular sem os fones de ouvido no mais alto volume que o aparelho permitia (vou encarnar um Seinfeld: nada contra música evangélica, apenas contra o volume), o que fez com que a fisioterapeuta fosse obrigada a lhe pedir que diminuísse o volume. Sem levar em conta que a invenção do fone de ouvido foi uma grande conquista, pois privatizou o som, permitindo que apenas a pessoa que tem o aparelho ouça o som.
O som de Campinas, especialmente no Cambuí e nas noites do fim de semana (começando às vezes na quinta), está se caracterizando pelo volume e pela péssima qualidade das músicas, na verdade sub-música: sertanojo (sim, sertanojo), pagode e outras inidentificáveis, pois se parecem simplesmente com ruídos. Nenhum desses "manos" nos brinda com música de Frank Sinatra, Beatles, Adele, Dido e outros.  


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …