Pular para o conteúdo principal

A traficante grávida e as jacas

          Neuza era uma mulher de menos de 40 anos, mas que aparentava ter mais de 50. Para completar o quadro, cardiopata (talvez isso tenha contribuído para produzir essa aparência sofrida) e hipertensa. Na época em que foi presa, estava grávida de sete meses.
          Seu carro velho, uma Belina, apresentou um defeito e ela a levou a uma oficina mecânica nas proximidades do “mercadão”, uma autêntica “boca-de-porco”. O carro ficou pronto, ela pagou o preço, retirou-o, mas o defeito persistiu. Levou-o a outra oficina mecânica; examinado, constatou-se que não havia sido feito reparo nenhum. Retornou à oficina que simulou ter feito o serviço, mas recusaram-se a devolver-lhe o dinheiro.
          Ajuizou uma reclamação no Juizado Informal de Conciliação (era assim que se chamava então); citado, o dono da oficina não compareceu e, julgado revel, foi condenado a devolver a quantia indevidamente cobrada e recebida. Voltou à oficina, desta vez com cópia da sentença condenatória. O dono da oficina tinha sido preso, acusado de extorsão. O advogado do dono da oficina foi chamado. Combinaram que ele iria ao presídio conversar e que Neuza seria avisada.
          Certo dia, Neuza foi chamada à oficina, no período da tarde, e, estando do lado de fora, foi surpreendida com a chegada de uma equipe de policiais da DISE, que a prenderam em flagrante sob a acusação de tráfico de cocaína: submetida a uma busca pessoal (“revista”), teriam sido encontrados em seu poder vários “papelotes” de cocaína. O inquérito foi distribuído à 1ª Vara Criminal de Campinas.
          Uma tarde esteve na PAJ (que naquela época localizava-se na Rua Benjamin Constant, 1.214, 1°andar) uma estagiária (por coincidência, de quem eu tinha sido professor) da assistência jurídica da Faculdade de Direito da PUCCamp, que também presta serviços jurídicos a pessoas carentes, procurando informação a respeito de quem seria incumbido de defender a Neuza. Por coincidência, caberia a mim. A razão da procura foi esta: havia estado na AJ da Faculdade de Direito o companheiro de Neuza, buscando defensor para ela e ali não era feito esse tipo de defesa. Interessei-me prontamente.
          Examinei o processo. Constatei que ele já houvera dado à luz: estando encarcerada, havia sido levada ao CAISM da Unicamp para dar à luz. Foi requerida ao juiz prisão domiciliar, prontamente concedida.
          Os fatos não se conectavam: uma mulher em adiantado estado de gravidez, com problemas cardíacos e hipertensa, não atravessaria a cidade para traficar entorpecente defronte uma oficina. Isso feria a lógica. Decidi ir conhecer o local. Não o encontrava. Ele ficava na rua Falcão Filho, que era seccionada pelo Viaduto Penido Burnier: aparentemente, a rua Falcão Filho terminava ali. Procurei no mapa: a rua continuava após o viaduto. Fui ao local num domingo, com máquina fotográfica, para retratá-lo. Parei o carro, desci, minha mulher assumiu o volante e comecei a fazer as fotos. Abriu-se, de repente, o portão. Surgiu um homem com um cão enorme e gritou: “moço, o que você está fazendo?. Literalmente, pulei no carro e disse para minha mulher: “toca”. Ela arrancou à toda. As fotos já estavam feitas.
          Os policiais que efetuaram a prisão foram arrolados como testemunhas, em número de três. Ouvidos, relataram a mesma história de sempre: denúncia[1] anônima[2] dizia que uma mulher grávida estava traficando no local; a denúncia fora registrada na DISE (não havia ainda o disque-denúncia).
          Arrolei algumas testemunhas de defesa, dentre as quais o advogado do dono da oficina; requeri ao juiz que requisitasse cópia do registro da denúncia na DISE; pedi que fosse ouvido mais um dos policiais, um que compôs a equipe mas não apareceu no auto de flagrante. O advogado inesperadamente viajou à Itália e não pôde ser ouvido; o policial foi intimado duas vezes e não compareceu, tendo sido preciso que o juiz ameaçasse processa-lo por desobediência a fim de que ele comparecesse; o registro da ocorrência era de muito tempo antes do fato e não tão recente, como tentaram fazer crer os policiais. Apresentei cópia da sentença do JIC que condenava o dono da oficina, defronte a qual Neuza fora presa, a restituir o que havia cobrado e recebido indevidamente; pedi da juntada aos autos das fotos que fizera.
           Tudo isso convenceu a juíza substituta, uma carioca, e Neuza foi absolvida. Não se conteve de alegria. Toda vez que conversava comigo chorava copiosamente. O Ministério Público, inconformado, recorreu.
          Recebi, logo após proferida a sentença absolutória, um telefonema do pessoal do cartório: Neuza havia deixado três presentes ali, para mim. Nem imaginei o que poderia ser,pois ela era pobre. Surpresa: eram três jacas produzidas em seu quintal. Não gosto de jaca, nem do cheiro. É trauma: passando férias na fazenda de um parente, ouvia barulhos fortes no quintal; pensava que fosse a mula sem cabeça colidindo com o paiol ou a tulha. Eram as jacas, caindo de maduras. Das três, deixei duas com o pessoal do cartório, e, para não desaponta-la levei uma para minha casa; dei-a à empregada.
          Antes que o recurso fosse julgado, o marido de Neuza esteve na PAJ e contou-me que ela havia sido morta, vítima de um balaço. Contou-me que haviam comprado um bar na periferia: dois fregueses brigaram, um sacou uma arma de fogo, atirou no outro, errou o alvo, acertou Neuza[3]. O marido trazia o atestado de óbito.
          Eu tinha duas opções: apresentar, de pronto, o atestado de óbito e com isso seria extinta a punibilidade pela morte (Código Penal, artigo 107, inciso I – “mors onmia solvit”) ou aguardar o julgamento do recurso. Julgado o recurso do Ministério Público, se fosse modificada a sentença, com a consequente condenação de Neuza, eu requereria a extinção da punibilidade pela morte. Optei pela segunda.
          O recurso foi julgado e lhe foi negado provimento: a justiça terrena reconheceu que Neuza não merecia ser condenada.
          Rasguei o atestado de óbito em inúmeros pedaços.






[1] . Disse em 1764 Beccaria: “aquele que suspeita que um seu concidadão é um delator, vê logo nele um inimigo”. Durante o tempo em que atuei na PAJ – 24 anos – vi muitas ocorrências falsas relatadas ao “disque denúncia”, algumas com nítida aparência de vingança. No “caso Toninho”, por exemplo, várias pessoas ilustres foram delatadas nesse serviço.
[2] . Sabe-se que quase nunca a denúncia é anônima; os policiais quase sempre sabem quem delata o criminoso.
[3] . Em Direito Penal, é o erro na execução ou “aberratio ictus”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto