Pular para o conteúdo principal

Vagas reservadas

O brasileiro está distante de respeitar as vagas reservadas, tanto para idosos, quanto para deficientes. O município segue religiosamente o que determinam as normas, reservando um número determinado de vagas para essas pessoas; é necessário, porém, que a pessoas que pretendem usar o benefício sejam inscritas no órgão municipal e, quando estacionarem, deixarem a placa bem visível.
Tudo muito correto da parte do poder público, bem como dos shoppings, bancos e supermercados: o problema reside, como em muitas outras situações, apenas nas pessoas que, não figurando nem em uma, nem em outra das categorias, teimam em desrespeitar. Em todas as vezes que vou ao cinema no Shopping Iguatemi parece que está havendo uma convenção de idosos: praticamente todas as vagas estão ocupadas e por veículos que não portam a credencial. E a direção do estabelecimento não toma nenhuma providência. No Shopping Dom Pedro houve uma iniciativa - não sei se ainda está em prática - de aplicar uma advertência no usuário da vaga sem a credencial, consistente em um lembrete, tal qual fosse uma multa moral.
Anteontem, estacionei meu carro na avenida Francisco Glicério, ao lado do largo do Pará, numa vaga de zona azul reservada a idoso, coloquei a credencial e o talão de zona azul por 2 horas (que é o tempo permitido). Atrás dessa vaga há uma para deficiente. Ao voltar, tive a pachorra de contar: as 9 vagas que existem ali estavam todas ocupadas e apenas o meu carro portava a zona azul. Na vaga de deficiente estava um carro sem o talão da zona azul e sem credencial, mas com um adesivo religioso: "nas mãos de Deus". Pensei: essa pessoa deve frequentar os cultos do seu templo, gruda um adesivo em seu carro para declarar a sua religião, mas não obedece um preceito bíblico básico, o respeito ao próximo.
Nas minhas idas ao EUA tenho observado que ali existe reserva de vaga para deficiente e os veículos que transportam essas pessoas trazem sempre pendurada na haste do espelho retrovisor a credencial e ali as pessoas respeitam as vagas demarcadas. Há, inclusive, ameaça de multa para quem estacionar indevidamente e a multa é aplicada inclusive quando o desrespeito ocorre em estacionamento de shopping, supermercado ou hotel.
Seguem abaixo duas fotos que fiz no estacionamento do prédio ("flat") em que me hospedei  e um folheto que alguém "bolou" para colocar nas vagas demarcadas para deficientes para ilustrar.
Silvio Artur Dias da Silva            




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto