Pular para o conteúdo principal

Ainda o DNA

Prometi ontem que voltaria ao tema e ei-lo: com o projeto aprovado na Câmara - melhor dizendo, aprovando pela CCJ da Câmara -, o Brasil pretende finalmente entrar na utilização do perfil genético para determinados crimes. A ideia sempre é boa, pois auxilia na solução de crimes, e, consequentemente, na aplicação da lei penal, e, ainda consequentemente, na segurança dos cidadãos (como dizia o sumo mestre de Pisa, Francesco Carrara, sobre a lei criminal: "promulgada para proteger a segurança dos cidadãos"), bem como em sua tranquilidade, porém, como outras leis, tem alguns defeitos, sejam de forma, sejam de fundo, que podem inviabilizá-la.
O projeto prevê a coleta de material para a construção do perfil genético em condenado por crime "praticado dolosamente, com violência de natureza grave contra pessoa, ou por qualquer dos crimes previstos no art. 1° da 8.072, de 25 de junho de 1990". Começando pelo final: os crimes previstos no artigo 1° da citada lei são os crimes definidos como hediondos (o apelido da lei é "dos crimes hediondos"), tais como estupro, homicídio qualificado, tráfico de entorpecentes, entre outros. Até aqui, nada a reparar.
O problema começa quando o projeto refera-se a "crime praticado dolosamente, com violência de natureza grave contra pessoa". Há uma vetusta divisão entre crime doloso e crime culposo (chamarei este de "sem intenção", paa que até leigos entendam; o doloso, "com intenção").  Há outra antiquíssima divisão entre violência e grave ameaça: a primeira é a força física, a "vis corporalis", a empregada contra o corpo da vítima. O que não existe na lei penal brasileira é algo a que o projeto se refere chamado "violência de natureza grave". Ademais, a doutrina penal desconhece tal divisão. A classificação "natureza grave" é utilizada no crime de lesões corporais dolosas, que é dividido, pela doutrina, em lesões corporais leves, graves, gravíssimas e seguidas de morte (art 129, "caput, parágrafos 1°, 2° e 3°). Pelo Código, em leves, graves e seguidas de morte.
Como se vê, ainda nem transformado em lei, o projeto poderá atiçar polêmicas por empregar uma expressão que não tem nenhum significado no Direito brasileiro. A doutrina será obrigada a interpretá-la, com o cuidado de não aumentar o alcance da norma penal, o que violaria o princípio da reserva legal.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …