Pular para o conteúdo principal

Homofobia

Hoje comemora-se o dia mundial da luta contra a homofobia. A data escolhida - 17 de maio - é aquela em que a homossexualidade foi excluída da CID como uma doença. Sim, chegou a ser considerada doença. Mas isso não é pior: chegou a ser considerada crime e gravíssimo.
Quando o Brasil foi descoberto, foi aqui aplicada a legislação de Portugal e eram as ordenações. As que mais tiveram aplicação foram as Filipinas, especificamente, na abordagem aqui feita, o seu Livro V, que definia os crimes e cominava as penas. Em seu Título XII punia os que "commetem o peccado de sodomia, e com alimarias", determinando que o autor fosse "queimado, e feito per fogo em pó, para que nunca de seu corpo e sepultura possa haver memória, e todos os seus bens sejam confiscados para a Corôa de nossos Reinos postoque tenha descedentes; pelo mesmo caso seus filhos e netos ficarão inhabiles e infames asi como os daquelles que commetem o crime de Lesa Magestade" (foi preservada a grafia original). O "crime" (significativamente chamado de "pecado", mostrando como o Direito Penal estava impregnado de religião, era equiparado a um dos mais graves delitos, o de Lesa Majestade, e a punição consistia em eliminar a pessoa e tudo que pudesse lembrá-la: o fogo tornando o seu corpo em cinza e o vento espelhando-a; não havia sepultura a ser visitada).
Há muito tempo não é mais considerado crime, nem doença, e nesse interregno incontáveis passeatas pelo orgulho gay foram realizadas, mobilizando milhares de pessoas nessa luta. Independentemente da orientação sexual, todas as pessoas, por conta do princípio da isonomia, merecem a proteção penal. Por exemplo, uma prostituta pode ser vítima do crime de estupro - a doutrina penal brasileira proclama isso há décadas.
Porém, há um projeto de lei (PL 122) que criminaliza a homofobia e ele equipara a homofobia ao racismo. Ou seja: se for equiparado ao racismo, será um crime imprescritível e impassível de anistia, graça e indulto, entre outros. Antes eram queimados; agora querem "queimar" quem não os tolera. Não é necessário chegar a tanto. Para utilizar uma expressão de Nelson Hungria: "o disco está sendo lançado além da meta". É necessário respeitar o princípio da proporcionalidade.
Esse projeto provocou a ira dos evangélicos (ira dos evangélicos não é uma contradição entre os termos?), o que fez com que houvesse uma paralisação. Até quando, não se sabe.
Silvio Artur Dias da Silva

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto