Pular para o conteúdo principal

Miguel Reale e Carolina Dieckmann


Miguel Reale foi o maior jus-filósofo do Brasil (e um dos maiores do mundo) e é o criador da teoria tridimensional do Direito: segundo ele, do atrito entre o fato e o valor surge a norma, que dá origem ao Direito (em alguns ramos, o costume pode ser fonte de direito). Ele chamava esse processo de nomogênese. Num país de direito escrito como o Brasil, o direito surge da lei. Em Direito Penal, somente da lei, por causa do princípio da reserva legal (artigo 1° do Código Penal: não há crime sem lei anterior que o defina; não há pena sem prévia cominação legal; Constituição Federal: artigo 5°, inciso XXXIX; Convenção Americana de Direitos Humanos: artigo 9°). A única fonte de Direito Penal é a lei.
Mas o processo legislativo brasileiro é muito lento, pois os nossos nobres parlamentares, que recebem salários astronômicos e têm um séquito de assessores, estão sempre ocupados com outras atividades igualmente nobres (como a de elaborar projetos e convertê-los nas leis que vão reger a vida em sociedade), como, por exemplo, participar de festas juninas no nordeste ou fazer campanha pela própria reeleição.
Desde o já quase longínquo ano de 1999 tramita nas casas legislativas de Brasília um projeto de lei de autoria do Senador Eduardo Azeredo que pretende criminalizar algumas condutas que ocorrem na internet. Algumas já estão criminalizadas – é incrível – desde o ano de 1940, data do Código Penal, Parte Especial, como, por exemplo, o furto, ou mesmo o estelionato, ou, ainda, crimes contra a honra: são crimes classificados como de “forma livre”, ou seja, podem ser praticados por qualquer meio, inclusive pela internet.  Outras condutas, todavia, não. Há outro projeto, este mais recente, de 2011, à semelhança do anterior, criminalizando algumas condutas. Havia uma queda de braço entre governistas e oposição que praticamente havia paralisado o andamento dos projetos.
E é aqui que entra a cooperação de Carolina Dieckman – talvez, melhor dito, do invasor de seu dispositivo -, pois a exposição das fotos que lhe foram subtraídas fez com que rapidamente se aprovasse um texto que já tem formato final, faltando apenas ir à sanção presidencial. Do atrito entre o fato e valor finalmente surgirá a norma.
Pois é: Miguel Reale formulou a teoria e Carolina Dieckman ajudou a formular a lei. Aliás, o “hacker” cooperou. Mas o auxílio da atriz foi fundamental...


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …