Pular para o conteúdo principal

O estuprador da cicatriz


                         Ela tinha pouco menos de 18 anos e gostava de freqüentar bailes. Naquela noite, estava num desses “bailões” da periferia e chegou a hora de ir embora. Como precisava atravessar um local ermo, pediu a um casal que conhecia que a acompanhasse por um trecho. O casal concordou. Acompanhou-a. Vencido o pior trecho, o casal retornou ao “bailão” e ela prosseguiu sozinha. Não foi muito longe: materializou-se na sua frente um homem que começou a desferir socos no rosto e em outras partes do corpo. A agressão levou-a à semi-inconsciência. Foi estuprada.
                        Socorrida num hospital, quando ainda permanecia internada, a autoridade policial – no caso, da Delegacia da Mulher – que investigava o fato, compareceu ali para ouvi-la e levou consigo algumas fotos. Ela prontamente reconheceu dentre aquelas fotos a do seu algoz e asseverou, ao descrevê-lo: “ele tem uma cicatriz de corte que passa por toda a lateral esquerda de seu rosto”. A autoridade, com base nesse reconhecimento, indiciou um homem que já estava preso. Representou[1] no sentido da decretação da prisão preventiva.
                        Indo os autos de inquérito policial ao Promotor de Justiça, este endossou o pedido da autoridade policial e foi decretada a prisão do acusado. Ele foi ouvido por carta precatória em outra comarca. Foi designada data de audiência para que fossem colhidos os depoimentos das testemunhas de acusação, bem como as declarações da vítima; nesse dia, coube a mim atuar na defesa do réu e, para minha surpresa, deparei com um réu que não tinha nenhuma marca no rosto, nem aquelas deixadas por espinhas da adolescência.
                        Sabido que nos presídios não são feitas cirurgias plásticas, nem de outras espécies, imediatamente mostrei ao juiz a incongruência: como é que pôde ser aquela pessoa indiciada, denunciada e presa se ela não tinha a principal característica apontada no reconhecimento feito pela vítima, que era a cicatriz em toda a lateral do rosto? A meu pedido, o juiz determinou que o acusado fosse submetido a exame pericial pelo IML e que o laudo viesse acompanhado de fotografias, a fim de que ficasse mais evidente o disparate.
                        A vítima nunca foi ouvida: mudou de endereço, sem deixar o novo. Seria bom que ela fosse ouvida: talvez assim o equívoco fosse desfeito.

 









[1] . Esse é o verbo que o Código de Processo Penal utiliza: tanto o Delegado de Polícia, quanto o Promotor de Justiça, devem representar ao Juiz de Direito no sentido de que seja decretada a prisão preventiva (ou temporária, se for caso). Somente o Juiz de Direito pode decretar prisão – felizmente!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …