Pular para o conteúdo principal

As curtas da sexta

1) Duas manchetes da FSP de hoje:
a) CPI quebra sigilo de petista e tucano por período de 10 anos - ambos são, respectivamente, o governador do DF, Agnelo Queiroz, e o de GO, Marconi Perillo. Parece-me que faltou um governador nesse rol, exatamente aquele "amigão" do dono da Delta, que constantemente viajava com ele, utilizava o seu helicóptero e foi flagrado em situações em sua companhia no mínimo constrangedoras em festinhas na cidade luz, Paris, várias delas expostas no blog de um deputado federal pelo RJ, Garotinho; mas ele tem santo forte, no caso o seu partido, o de maior bancada na Câmara; mas isso não passará incólume, pois não fica inibido o MP de requerer ao STJ a investigação; 
b) Câmara quer aumentar a verba de deputados - no caso, querem os nobres parlamentares um aumento da verba de gabinete, atualmente de 60 mil reais, para 75 mil reais MENSAIS; a notícia informa ainda que ssa verba é usada para contratar SEM CONCURSO até 25 ASSESSORES. Não é erro de digitação, não: 25 ASSESSORES
Assistindo esporadicamente às transmissões das sessões da CPMI do Cachoeira pela Globonews (nem a TV Câmara, nem a TV Senado - a comissão é mista, dela fazendo parte deputados e senadores - têm transmitido as sessões [por que será? um adepto da "teoria da conspiração diria que há medo de transmitir]) e vendo os desempenhos dos componentes dessa comissão fica uma certeza: não estão cumprindo nada daquilo que lhes cabe fazer.
2) Em duas oportunidades, escrevi aqui sobre as comissões parlamentares de inquérito que, ao contrário do muitas pessoas pensam, "dão", sim, "em alguma coisa" (a crendice popular afirma que elas sempre "dão em nada"). Na pior das hipóteses, amealham fundamentos para que o Ministério Público inicie ações penais contra os investigados. Mas a CPMI do Cachoeira definitavamente não dará em nada. Melhor: deu alguma coisa. Deu para demonstrar que ela se transformou num circo, com parlamentares que ali estavam para investigar (perguntando, confrontando) tornaram-se claques dos membros de seus partidos que ali depunham, aplaudindo-os efusivamente. As fotos e os vídeos são de envergonhar. Indago, com vistas a uma das notas acima (1, b): é para isso que eles querem mais assessores? para que compareçam às sessões da comissão para engrossar os aplausos?
Isto é Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …