Pular para o conteúdo principal

Orhan Pamuk e a professora de Sumaré II

No texto de ontem, abordei a forma como a educação - ou o ensino, se preferirem - vem sendo tratada no Brasil e no mundo nas últimas décadas, bem como o despreparo dos professores. Preferiu-se substituir o castigo, seja físico ou não, pelo diálogo ("conversa", no dizer de algumas pessoas), mas a velocidade dos acontecimentos tem impedido que o diálogo seja adotado como solução, e mais, que ele seja duradouro e não de apenas alguns minutos. Um diálogo para um aluno que apresenta problema grave na escola deve ter a mesma duração, creio eu, de uma abordagem psicanalítica: não serão alguns minutos que resolverão a situação.
Nós, alunos, tremíamos de medo quando nos comunicavam que teríamos que ir "à diretoria": certamente tomaríamos "um pito" do diretor, além da ocorrência constar da caderneta onde eram escritas as notas... e o comportamento. Ao contrário do que ocorria, hoje em dia, especialmente na escola pública, a mídia tem noticiado brigas - e tudo filmado por câmera de celular e imediatamente posto no "Youtube", para deleite de muitos. Não são raras as notícias de alunos comparecendo às aulas portando arma de fogo - já foi registrada ocorrência de disparo de arma de fogo em sala de aula, com o projétil atingindo a professora, que se salvou, tendo o autor do disparo se suicidado.
No nosso "irmão do norte" (como antigamente a mídia se referia aos Estados Unidos da América do Norte) a solução para esses "problemas escolares" foi de tratamento de choque (diria que se trata de medida que seguiu os mesmos passos de uma Política Criminal chamada "tolerância zero"): no estado do Texas, tradicional reduto dos republicanos e em que a pena de morte é largamente aplicada e executada, a polícia e o Poder Judiciário foram acionados para resolver ocorrências escolares e isso não vem de data recente.
A FOLHA DE SÃO PAULO, trouxe uma reportagem extensa sobre essa solução, publicada no caderno ILUSTRÍSSIMA de 15 de janeiro de 2012. O título é: "Nota vermelha no BO". A matéria tem críticas, obviamente, mas uma frase prende a atenção: "processsos judiciais, multas e cadeia estigmatizam colegiais e criam uma 'via direta da escola à prisão'".
Qual é a melhor solução: somente o tempo, e de uma geração, poderá nos responder esta questão. Como já estou no Estatuto do Idoso, creio que não terei tempo de ver.
Silvio Artur Dias da Silva
Endereço da reportagem citada no texto: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrissima/1034537-nota-vermelha-no-bo.shtml



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto