Pular para o conteúdo principal

A Vitimologia e o Poder Público

No texto anterior aqui postado, comentei uma "cartilha" da Polícia Militar do Estado de São Paulo em que  expõe aos usuários de bancos alguns cuidados que, se cumpridos, evitam que se tornem vítimas de crime patrimonial. É óbvio que esse comportamento não afasta a obrigação do Poder Público de nos garantir a paz necessária a uma vida digna. O Direito Penal, cuja função é garantir os mais importantes bens (vida, integridade corporal, patrimônio), somente pode ser exercido pelo Estado: o "jus puniendi", poder-dever de punir, é de exercício exclusivo do Estado.
É certo, todavia, que não se pode colocar um policial, fardado ou não, em cada esquina (respeitadas as atribuições de cada polícia), vigiando a todo o tempo a fim de nenhum crime seja cometido. Ninguém em sã consciência advogaria uma solução como essa, porque ela seria, no mínimo, constrangedora. Nenhuma ditadura, por mais sanguinária que tenha sido, exerceu tal forma de policiamento. Levando-se em conta que o Estado não é onipresente, ou seja, não consegue, por seus representantes, estar em todos os lugares ao mesmo tempo e, assim, evitar que crimes sejam cometidos, o cidadão poderia também cooperar, evitando tornar-se vítima.
Aqui entre nós, com raras exceções, como a "cartilha" que comentei e esparsos conselhos que são dados em épocas específicas, "feriadões" por exemplo, em que autoridades orientam em entrevistas dadas a telejornais as pessoas que viajarão e deixarão as suas casas desprotegidas, em geral o Poder Público faz de conta que tem dado toda a proteção às pessoas, gerando-lhe tranquilidade. Nada mais falso. Além de não dar essa proteção, nem ao menos orienta as pessoas com respeito a certos cuidados que cada cidadão poderia tomar. Ou, orientar os cidadãos a se mobilizarem e tomarem certas providências que importarão em maior segurança. Há um ditado africano que diz: "quando o rebanho é unido, o leão dorme com fome".
Tenho visto no Exterior, especialmente nos Estados Unidos, que, ao contrário do que ocorre aqui, além da segurança ser mais efetiva, o Poder Público ainda orienta as pessoas para que não se tornem vítimas. E mais: encoraja-as a se unirem contra possíveis crimes contra o patrimônio, mais especificamente.
Abaixo, duas fotos para demonstrar o que estou dizendo: uma feita na cidade de Savannah, no estado da Georgia, outra feita em Charleston, estado da Carolina do Sul.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …