Pular para o conteúdo principal

Crime globalizado

Depois de quase 2 semanas sem postar nada aqui, por motivo de viagem, volto a este ofício que me tem acompanhado há vários anos.
O título do escrito de hoje sugere, à primeira vista, que se trate de delitos que começaram a ser praticados com o advento desse fenômeno chamado "globalização", ou seja, algo novo, mas não é bem assim. É certo que o fenômeno trouxe consigo a criação de figuras penais diferentes, mas antigas práticas delituosas foram renovadas e surgiram em muitas partes do mundo. O antiquíssimo furto de carteira - "carteiristas" em espanhol, "pickpocket" em inglês - ultrapassou as fronteiras e tem ganho uma sobrevida no mundo. Outras formas de subtração foram revividas. As viagens que tenho feito me proporcionaram alguns exemplos:
1) em maio, em Santiago do Chile, um brasileiro, num dos restaurantes de um lindo shopping, levantou-se de sua cadeira para servir-se de mais comida, deixando a sua jaqueta nova no encosto da cadeira: ao voltar, a peça de roupa havia "sumido" (no dia seguinte estive no mesmo restaurante e ao levantar-se, a minha mulher deixou a sua bolsa na cadeira: imediatamente, o garçom advertiu-me para ficar de olho na bolsa);
2) antes, em março, num "mall" em Orlando, Flórida, a bolsa de minha mulher foi cortada (as famosas "cortadeiras" do Brasil), mas o golpe não atingiu o forro, impedindo, assim, o ladrão (ou a ladra) de subtrair a bolsa com os cartões de crédito e - o que é melhor -, de furtar os passaportes;
3) há 6 anos, numa loja em Toronto, no Canadá, fui vítima de um pequeno furto, alguns dólares canadenses, mas foi uma forma tão astuciosa que o ladrão empregou que descreverei em outra ocasião.
Há 3 anos, aos chegarmos em Milão, fomos advertidos pela guia para tomarmos cuidado com os batedores de carteiras: disse ela (que era espanhola) que ladrões do mundo todo iam à Itália para "trabalhar"; este ano, idem: o nosso guia nos chamou a atenção para isso.
O que tem facilitado a ação desses ladrões na Europa é que as fronteiras inexistem entre os países da Comunidade Europeia: pode-se percorrer todos sem que se seja incomodado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …