Pular para o conteúdo principal

Crime globalizado

Depois de quase 2 semanas sem postar nada aqui, por motivo de viagem, volto a este ofício que me tem acompanhado há vários anos.
O título do escrito de hoje sugere, à primeira vista, que se trate de delitos que começaram a ser praticados com o advento desse fenômeno chamado "globalização", ou seja, algo novo, mas não é bem assim. É certo que o fenômeno trouxe consigo a criação de figuras penais diferentes, mas antigas práticas delituosas foram renovadas e surgiram em muitas partes do mundo. O antiquíssimo furto de carteira - "carteiristas" em espanhol, "pickpocket" em inglês - ultrapassou as fronteiras e tem ganho uma sobrevida no mundo. Outras formas de subtração foram revividas. As viagens que tenho feito me proporcionaram alguns exemplos:
1) em maio, em Santiago do Chile, um brasileiro, num dos restaurantes de um lindo shopping, levantou-se de sua cadeira para servir-se de mais comida, deixando a sua jaqueta nova no encosto da cadeira: ao voltar, a peça de roupa havia "sumido" (no dia seguinte estive no mesmo restaurante e ao levantar-se, a minha mulher deixou a sua bolsa na cadeira: imediatamente, o garçom advertiu-me para ficar de olho na bolsa);
2) antes, em março, num "mall" em Orlando, Flórida, a bolsa de minha mulher foi cortada (as famosas "cortadeiras" do Brasil), mas o golpe não atingiu o forro, impedindo, assim, o ladrão (ou a ladra) de subtrair a bolsa com os cartões de crédito e - o que é melhor -, de furtar os passaportes;
3) há 6 anos, numa loja em Toronto, no Canadá, fui vítima de um pequeno furto, alguns dólares canadenses, mas foi uma forma tão astuciosa que o ladrão empregou que descreverei em outra ocasião.
Há 3 anos, aos chegarmos em Milão, fomos advertidos pela guia para tomarmos cuidado com os batedores de carteiras: disse ela (que era espanhola) que ladrões do mundo todo iam à Itália para "trabalhar"; este ano, idem: o nosso guia nos chamou a atenção para isso.
O que tem facilitado a ação desses ladrões na Europa é que as fronteiras inexistem entre os países da Comunidade Europeia: pode-se percorrer todos sem que se seja incomodado.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …