Pular para o conteúdo principal

Furto no Canadá

No último texto, fiz referência a um furto de que fui vítima no Canadá e prometi que o relataria, o que faço agora. Era o ano de 2006 e resolvi, juntamente com minha esposa, fazer uma viagem, por intermédio de uma operadora dos EUA,  cujo trajeto ia de New York até o Canadá, retornando a NY. Sempre ouvi dizer que este país era de primeiríssimo mundo, inclusive de brasileiros que ali residem. Mas a minha decepção se iniciou quando fui providenciar o visto de entrada: se fizesse por mim mesmo demoraria alguns meses; por intermédio de um despachante, demoraria alguns dias. A segunda decepção veio quando fiquei sabendo que o visto era válido por apenas 6 meses e dava direito a somente uma entrada. A terceira veio quando entrei: o funcionário da imigração inutilizou o visto. A quarta veio quando tomei conhecimento que, embora o dólar canadense valesse menos do que o estadunidense, os comerciantes canadenses os equiparam: uma compra paga com dólar estadunidense terá o troco em dólar canadense na proporção de um por um (este fenômeno ocorre em algumas lojas na Suíça: pagando a compra com euro, o troco será em franco suíço, que vale menos).
A quinta decepção decorreu da segunda: éramos 3 casais brasileiros em Toronto e resolvemos sair do hotel para jantar; no caminho, paramos numa loja de souvenirs, pois eu pretendia comprar alguns objetos. Já os havia escolhido e percebi que não tinha dólares canadenses, apenas estadunidenses. Um daqueles brasileiros ofereceu-se para emprestar-me a quantia - não ultrapassava os 10 dólares - para que eu não caísse na esparrela de receber troco a menos. Apanhei a quantia e a coloquei juntamente com os objetos no balcão. Ao meu lado havia um afrocanadense, que, inesperadamente, começou a discutir com a caixa: uma das frases que ouvi era que os vendedores davam mais atenção aos turistas do que aos da cidade. Ele disse que queria falar com o gerente e outras coisas. Olhei para o balcão e vi apenas os objetos: o dinheiro não mais estava ali. Pensei que o houvera colocado de novo num dos bolsos, procurei, mas não o encontrei. O afrocanadense retirou-se da loja, bravo. Uma canadense, também afrodescendente, tocou o meu ombro e me disse que aquele rapaz havia subtraído o meu dinheiro. Toda aquela pantomima nada mais era do que um estratagema para distrair-nos e poder subtrair a quantia. Óbvio que fiquei chateado, mas depois foi motivo de riso entre nós: em outro país, e de primeiríssimo mundo, fui vítima de uma daquelas pessoas que aqui no Brasil eu era encarregado de defender. Ademais, aplicando-se ao fato um princípio muito em voga na justiça criminal brasileira, o da insignificância, o fato não seria punido.
É isso: o crime contra o patrimônio há tempo desconhece fronteiras.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto