Pular para o conteúdo principal

Nascida em 4 de julho

Oliver Stone dirigiu (e escreveu o roteiro) de um filme chamado "Nascido em 4 de julho"; o título deste texto, já por estar no feminino, não se refere à obra. Refere-se, isto sim, à nação que nasceu na data, mais especificamente, 4 de julho de 1776, dia independência dos Estados Unidos da América.
Um país que tinha tudo para dar errado: na costa oeste, na Califórnia, há a Falha de San Andrés, enorme, em que, a qualquer momento, poderá ocorrer o "Big One", um terremoto que separará aquele estado do resto do país. Há desertos, em Nevada e Arizona (sem citar o Gran Canyon, com 480 km de extensão); há tornados no meio-oeste; há furacões na Costa Leste; há nevascas em vários estados, principalmente na fronteira com o Canadá. Mas deu certo, não apenas como descobridores de tecnologias (para citar algumas: computador, cartão de crédito, utilidades indispensáveis na vida atual, como também o telefone celular [o fixo também - Alexander Graham Bell]), como um respeito total à democracia.
A Constituição estadunidense é de 1787 e é a única: ela tem 7 artigos e 23 emendas. O Brasil teve 7 em sua história: a atual, de 1988 e chamada de "cidadã" pelo presidente da Constituinte (Ulysses Guimarães), tem 250 artigos e 70 emendas. Dirá alguém que nos EUA o direito é consuetudinário, o que não é uma verdade total, pois há estados em que há direito escrito.
Foram mortos 2 presidentes em pleno exercício do mandato - Lincoln e Kennedy - e outro sofreu ferimentos - Reagan -, e não ocorreu nenhuma "quartelada", como aqui (sem que o presidente tivesse sido morto) e em outros muitos países do mundo.
Voltando ao início do texto, lembrei de uma anedota muito antiga: quando Deus criava o mundo e, consequentemente, os países, o seu secretário, São Pedro, ao vê-lo colocar tantas adversidades em diversos locais (um enorme deserto no Chile; cordilheiras na Europa e na América do Sul, apenas para exemplificar; nevascas em outros locais) e no Brasil nenhuma, perguntou-lhe:
- o senhor não vai colocar nenhuma catástrofe nesse país (Brasil)?
- vou: o povo.
Isso nos diferencia "dos irmãos do norte", conforme dizia um apresentador de programa de rádio: um país que tem todos os requisitos para ser uma superpotência, mas que não é por causa do povo, de onde saem, aliás, os que nos governam.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …