Pular para o conteúdo principal

O projeto de Código Penal - conflito de normas

Um tema importante na aplicação da lei penal e sobre o qual o Código Penal era omisso, e a omissão pode-se dizer foi voluntária, chama-se conflito aparente de leis penais (ou conflito aparente de normas penais). É a situação em que 2 ou mais artigos de lei (na mesma lei: no Código, por exemplo; ou em artigos de leis diversas) aparentemente podem ser aplicados ao mesmo fato. Sobre o tema disse Nélson Hungria que o conflito não podia deixar de ser "aparente", nunca real, pois, dizia ele, o Direito Penal é um sistema harmônico e as suas "normas não brigam entre si". A doutrina, como forma de interpretação da lei penal quanto ao sujeito (que a interpreta, evidente), construiu os meios de resolver esses conflitos, elaborando princípios: a] especialidade; b] subsidiariedade; c] consunção. Alguns doutrinadores - Mirabete, por exemplo - viam um quarto princípio, o da alternatividade, aplicável somente quando o tipo penal violado fosse de conteúdo variado, de múltipla execução ou múltipla realização (tipos penais em que há mais de um verbo descrevendo a conduta, como, por exemplo, a participaçãoem suicídio). Autores há que os reduzem a dois somente. Somente por isso se constata a discordância existente na doutrina: não havia uma opinião unânime.
Encarando o problema, a comissão de especialistas redigiu regras no projeto que deixarão pouco ou quase nada para a doutrina quando ocorrer esse conflito de normas. Este é o texto:

Conflito de normas
Art. 12. Na aplicação da lei penal, o juiz observará os seguintes critérios, sem prejuízo das regras relativas ao concurso de crimes:
§ 1º. quando um fato se subsume a mais de um tipo penal, é afastada a incidência:
a] do tipo penal genérico pelo tipo penal específico.
b] dos tipos penais que constituem ou qualificam outro tipo.

Consunção criminosa
§ 2º. Não incide o tipo penal meio ou menos grave quando estes integram quando estes integram a fase de preparação ou execução de um tipo penal fim ou de um tipo penal mais grave.
§ 3º. Não incide o tipo penal relativo a fato posterior quando se esgota a ofensividade ao bem jurídico tutelado pelo tipo penal anterior mais gravoso.

Crime de conteúdo variado
§ 4º. Salvo disposição em contrário, o tipo penal constituído por várias condutas, alternativamente, só incidirá sobre uma delas ainda que outras sejam praticadas pelo mesmo agene no mesmo contexto fático.

Está aí: a comissão houve por bem resolver o problema que grassava na doutrina, estabelecendo as soluções para esse intrincado problema chamado "conflito aparente de normas (leis) penais". Era necessário? É atribuição da lei? Alguns dirão que não.

Silvio Artur Dias da Silva


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …