Pular para o conteúdo principal

Projeto do CP - desistência voluntária e arrependimento eficaz

Um dos temas mais interessantes da Parte Geral do Código Penal, a que a doutrina dedicou - e ainda dedica - intensos estudos, é a referente à desistência voluntária e arrependimento eficaz. Chamada de "ponte de ouro" por um penalista alemão, a desistência voluntária foi tida por Nélson Hungria como uma causa de extinção da punibilidade e mais tardiamente classificada como causa de afastamento da adequação típica por extensão, a tentativa. Sim, porque a desistência voluntária afasta a imputação da tentativa, o mesmo ocorrendo com o arrependimento eficaz. Como identificar se houve tentativa ou desistência? A proposta é de outro autor alemão: na tentativa, o sujeito ativo diz "quero prosseguir, mas não posso"; na desistência, ele diz "posso prosseguir, mas não quero".
Em ambos os casos há início de execução, mas, ao contrário do que acontece na tentativa, em que o resultado não ocorre por circunstâncias alheias à vontade do agente, na desistência e no arrependimento o resultado não ocorre pela vontade do agente.
Quanto aos efeitos que produzem, não há divergência na doutrina: a divergência acontece quando tais institutos ocorrem no concurso de pessoas, em que um dos sujeitos se arrepende e o outro, não. Ou um desiste e o outro, não. Exemplo "de manual": Antonio e João resolvem matar Pedro e disparam contra a vítima. Fogem do local, cada qual em direção diferente. Antonio, arrependendo-se, volta e socorre Pedro, levando-o a um hospital onde ele é medicado e salvo. Nitidamente, Antonio praticou o arrependimento eficaz, o mesmo não ocorrendo com João. Ambos serão beneficiados? Fundamentados numa lição pouco clara de Nélson Hungria, a doutrina entende que o arrependimento de Antonio deve beneficiar João. Se se considerar que o liame subjetivo, um dos requisitos do concurso de pessoas, não foi rompido, ambos deveriam ser beneficiados pela atitude de um dos concorrentes.
O projeto, embora mantendo a mesma descrição do que sejam a desistência e o arrependimento, deu outra solução no caso e concurso de pessoas, quando um concorrente desiste ou se arrepende e o outro, não. Está assim, como o parágrafo único do artigo 25:
"o disposto neste artigo não se aplica aos demais concorrentes não tenham desistido ou se arrependido eficazmente".
Caso aprovado o projeto, a doutrina nacional deverá rever a sua posição.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …