Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito - capítulo 68

-->

                       Uma sexta-feira, depois de cinco da tarde, na sede da PAJ estávamos eu e os seguranças somente. O dia fora como qualquer outro: plantão de atendimento de público no período da manhã, serviço interno no período da tarde. De repente, veio uma idéia: a filha de um empresário local, de nome Monique, havia sido sequestrada por “Valmirzinho” e poucos dias antes da morte do prefeito. Em casos desse tipo de crime, como é óbvio, os sequestradores fazem contatos – vários contatos – com os familiares para “negociar”[1] o valor do resgate e então a autoridade policial solicita ao Juiz de Direito autorização para monitorar o telefone que os sequestradores estão utilizando, bem como gravar as conversas. Era possível que “Valmirzinho” tivesse tido o seu aparelho monitorado.
                        Pensando nisso, fui ao fórum, diretamente ao cartório do distribuidor e ali solicitei informação de sobre distribuição de processo pelo nome da vítima, Monique. Havia um, sim, e distribuído à 4ª Vara Criminal. Anotei o número do processo e, com o coração já aos pinotes, fui ao cartório. Pedi o processo. A escrevente entregou-me. Tinha havido monitoramento telefônico. O pedido inicial feito pela autoridade policial do 4º Distrito fora denegado por falta de documentação. Renovado, e agora completo, foi deferido. Mais adiante estava toda a bilhetagem. Comecei a folheá-la. Meu ritmo cardíaco aumentou. Cheguei ao ponto: o aparelho celular que “Valmirzinho” estivera utilizando durante o sequestro da filha do empresário recebeu uma ligação de um telefone fixo na mesma noite da morte do prefeito, por volta de 22,32 horas – 17 minutos após os disparos, conforme a denúncia descrevia – na cidade de Caieiras, distante 77 km de Campinas. E mais: continuou o monitoramento – não se sabe porque – até cessarem as ligações com as mortes de “Valmirzinho” e “Anzo” (e mais duas pessoas) em Caraguatatuba. Anotei o número do telefone fixo fui embora para casa – passava das seis horas da tarde. A propósito: feliz da vida.




[1] . Quem faz a negociação pelo lado da família é sempre um policial do DEAS, treinado para isso, desde que a família solicite providências policiais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto