Pular para o conteúdo principal

Marcos Valério e a delação premiada

           
             Judas, o discípulo do Verbo, podia rebaixar-se a delator [o pior delito que a infâmia suporta]. “Três versões de Judas,“Ficções”, Jorge Luis Borges

            Explodiu como uma “bomba” na mídia de todo o Brasil: Marcos Valério, apontado como o “operador do mensalão”, enviou “fax” para o ministro relator, Joaquim Barbosa, dispondo-se a contar tudo o que sabe sobre o assunto, ou seja, delatar todo o “esquema”.  Uma indagação: é possível agora, na fase do julgamento em que se individualiza a pena, fazer a delação?
            O tema, doutrinariamente falando, é dos mais complexos dentro do Direito Penal (e fora também), pois a delação premiada, em duas das leis em que a admitem, é uma causa de extinção da punibilidade, o perdão judicial, e quanto a este existem 5 teorias que pretendem explicar a natureza jurídica da sentença que o concede. E a delação pode ser, ainda, uma causa de diminuição da pena. Portanto, ela é valorada no momento da sentença, tendo em vista, porém, qual a conduta do delator durante o processo – ou antes dele.
            Em primeiro lugar, a delação premiada não é unanimemente aceita no Direito Penal brasileiro: autores há que a enxergam como uma atitude anti-ética de quem delata, pois, ao tomar esta atitude, o réu está pensando mais em si do que no corpo social, já que receberá um premio pelo que disser. E, acrescentam: é possível que ele nem sempre esteja dizendo a verdade.
            A delação premiada entrou para o Direito Penal brasileiro vindo da Itália, que tinha – tem ainda – uma longa tradição na repressão à criminalidade organizada (leia-se: “máfias”). A “lei de crimes hediondos” foi o seu canal introdutor e ela é do ano de 1990. No crime de extorsão mediante sequestro, se o crime fosse cometido por quadrilha ou bando, “o coautor que o denunciar à autoridade, facilitando a libertação do sequestrado, terá sua pena diminuída de 1/3 a 2/3. O mesmo quanto ao crime de quadrilha ou bando: “o partícipe e o associado que o denunciar à autoridade o bando ou quadrilha, possibilitando o seu desmantelamento, terá a pena reduzida de 1/3 a 2/3”.
            Vieram outras leis: a do crime organizado (nº 9.034/95: redução da pena de 1/3 a 2/3 quando a “colaboração espontânea do réu permitir o “esclarecimento de infrações penais e sua autoria”); de “lavagem de capitais (nº 9.613/98, com nova redação determinada pela lei nº 12.683/12: diminuição da pena de 1/3 a 2/3, a ser cumprida em regime aberto ou semiaberto, facultando ao juiz deixar de aplicá-la ou substituí-la a qualquer tempo por pena restritiva de direitos, se o autor, coautor ou partícipe colaborar espontaneamente com as autoridades, prestando esclarecimentos que conduzam à identificação das infrações penais, à identificação dos autores, coautores ou partícipes, ou à localização dos bens, direitos ou valores objeto do crime); de proteção a réus e testemunhas (nº 9.807/99: perdão judicial, com várias exigências para concedê-lo, destacando-se uma – a recuperação total ou parcial do produto do crime).
            O que vale notar é que o processo do “mensalão” está findo – foram identificados todos os autores (será que todos foram identificados ou faltou alguém?)  - e caso Marcos Valério deseje colaborar, será em outros processos. Sem esquecer que as penas que foram impostas ao publicitário (40 anos no total) podem ser revistas porque o julgamento não se encerrou, não vejo como possa ele ser beneficiado agora na AP 470.



 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto