Pular para o conteúdo principal

Nélson Hungria, o goleiro Bruno e Eliza Samúdio

Nélson Hungria, como se sabe, é (ainda hoje) apontado como o maior penalista que o Brasil já teve. Polemista ao extremo, presidiu (o único no Brasil) duas comissões que elaboraram projetos de Código Penal. A primeira, que foi chamada de "revisora", porque o anteprojeto havia sido feito por Alcântara Machado, professor de Medicina Legal na Faculdade de Direito da USP, e a comissão (além de Hungria, Vieira Braga, Narcélio de Queiroz e Roberto Lyra) foi nomeada para revê-lo, e que resultou no Código Penal de 1940 (entrou em vigor a 1º de janeiro de 1942). A segunda comissão foi a que redigiu o Código Penal de 1969, transformado em lei nesse mesmo ano mas que nuca entrou em vigor. Foi ministro do STF e foi ele o relator no "habeas corpus" que pela primeira vez reconheceu a prescrição retroativa, que depois se tornou súmula e posteriormente lei.
De longe os seus "Comentários ao Código Penal" formam a mais completa obra de doutrina sobre a lei penal codificada (embora ele não seja o autor de todos os volumes).
O crime de homicídio é doutrinariamente classificado, quanto à produção do resultado, como material (os outros são formal e de mera conduta), ou seja, é daqueles delitos que provocam um resultado naturalístico: entre a ação (conduta) e o resultado há um distanciamento lógico e cronológico. A ação provoca a morte, produz um cadáver.
Ao comentar o crime de homicídio, Hungria, como não poderia deixar de ser, analisa a necessidade do corpo da vítima para que se tenha a existência desse crime contra a vida. Citando Francesco Carrara, o sumo mestre de Pisa, e também o penalista uruguaio Goyena, ele tece considerações sobre a necessidade da existência do cadáver para que se possa incriminar alguém pela prática desse delito. E, como não poderia ser diferente, faz a sua análise derivar para o Código de Processo Penal. Como exemplo da necessidade do corpo cita o caso dos Irmão Naves, considerado um dos maiores erros judiciários do Brasil: eles foram condenados e chegaram a cumprir pena sem que o corpo da vítima tivesse sido encontrado e por um motivo óbvio: e ela estava viva (há filme sobre o fato). Detalhe: aconteceu em Minas Gerais.
Nas infrações que deixam vestígios - como é o caso do homicídio - é indispensável o exame de corpo de delito, direto ou indireto, não podendo supri-lo a confissão do acusado, é o que proclama o Código de Processo Penal no artigo 158. O exame direto deve ser feito por um perito oficial; não oficial, dois. O exame indireto segue a mesma exigência.
Em Campinas, na década de 80, houve um crime de homicídio sem que o corpo da vítima tenha sido encontrado (e foi intensamente procurado): o caso Alba. Todos os envolvidos foram julgados e condenados por homicídio qualificado: tanto o mandante (o marido), quanto os intermediários e executores. Tive a oportunidade de assistir ao último dia do julgamento do mandante, que se deu no ano de 1999, mês de agosto, de 12 a 15. Estive presente no salão do júri de Campinas na noite de 15 de agosto de 1999, uma quinta-feira para assistir aos debates entre a acusação e a defesa. Encerrou-se por volta das 4 horas da sexta-feira. Ele foi condenado a 18 anos de reclusão, pena depois diminuída pelo Tribunal de Justiça. Até hoje a cumpre.
Pois bem, o corpo de Eliza Samúdio até hoje não foi encontrado (e há quem afirme que ela está viva) e o julgamento dos envolvidos, inclusive o goleiro Bruno, está prestes a se realizar. Uma matéria do jornal Folha de São de Paulo de 18 de novembro de 2012 aponta "dez lacunas na investigação", conforme a sua manchete.
Existam ou não as "dez lacunas"- como, de resto, em muitos processos existe - a inexistência do corpo da vítima sempre gera um incerteza, a incerteza se ela morreu mesmo, podendo a condenação representar um erro judiciário caso ela esteja viva.
Os sete jurados têm pela frente uma tarefa hercúlea. Idem quanto aos defensores.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …