Pular para o conteúdo principal

Em nome do irmão



                        O tiroteio aconteceu no Cambuí, nas proximidades da Igreja Nossa Senhora das Dores, num dia de semana, no período da tarde, uma daquelas tardes modorrentas e calmas: dois rapazes por ali perambulando, “em atitude suspeita”; alguém fez uma chamada telefônica ao 4° Distrito Policial; dois investigadores de polícia dirigiram-se ao local.
                        Chegando, mal desceram do veículo do veículo oficial, já foram recebidos com tiros. Revidaram e o saldo foi o seguinte: um dos investigadores mortos (de nome Cristóvão: há uma placa no 4° Distrito Policial dando o nome desse policial àquela repartição), um daqueles rapazes também morto. O suspeito – agora homicida – sobrevivente fugiu do local a pé; quadras adiante, surpreendeu uma pessoa que retirava o automóvel da garagem e mediante ameaça com o emprego da arma, subtraiu o veículo e dirigiu-o até o início do bairro Nova Campinas; ali, abandonou-o, apanhou um táxi, e foi até um restaurante no bairro São Bernardo, onde acabou preso, não sem antes – conforme dizia a versão oficial – resistir à prisão.
                        Apresentado ao Delegado de Polícia de plantão, ele foi autuado em flagrante delito pelos crimes de homicídio qualificado, homicídio qualificado tentado, roubo com emprego de arma e resistência. Declinou, nesse ato, seu nome como sendo Lourival (óbvio que falou o sobrenome). Foi qualificado, com a coleta das suas impressões digitais[1], e encaminhado ao “cadeião” do São Bernardo. Dali, foi transferido a um presídio em Franco da Rocha. Conseguiu fugir. O processo correu à revelia, tendo eu atuado em sua defesa. Foi pronunciado conforme os crimes imputados a si a denúncia (tal qual fora autuado em flagrante).
                        Depois de muito tempo, procurou-me na Assistência Judiciária uma mulher, cujo filho estava preso (foi assim que ela se anunciou a quem a atendeu) e era defendido por mim. Posta em contato comigo, relatou que seu filho estava preso, acusado de matar um policial, fornecendo todos os outros detalhes. Lembrei imediatamente do caso. Para minha surpresa, ela relatou que Lourival não fora o matador do policial, mas sim outro filho dela que, no ato da prisão em flagrante, deu o nome do irmão. Lourival, disse-me ela, estava preso em Curitiba por conta do crime cometido por seu irmão em Campinas.
                        O desfecho não foi dificultoso: no dia do julgamento, ao dizer ao Juiz presidente que ele, embora sendo seu nome Lourival, não houvera praticado aqueles crimes, foi incontinenti chamado um perito do Instituto de Criminalística: este colheu as impressões digitais do acusado e, comparando-as com as existentes no processo, concluiu que não eram da mesma pessoa. O verdadeiro homicida estava solto, foragido. E seu irmão, injustamente acusado e preso, acabou sendo solto, já que não fora o autor dos delitos.
                        Tudo começou com Caim e Abel. 


 (Texto extraído do livro "Casos de júri e outros casos".)




[1] . Nessa época, quase final da década de 80, de toda pessoa qualificada em inquérito policial eram colhidas as impressões digitais (popularmente: “tocar piano”). Tal exigência deixou de existir, a partir da Constituição de 1.988, se a pessoa já fosse identificada civilmente; depois, lei ordinária – n° 10.054/00 – passou a exigir a identificação criminal nas situações que ali especifica.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …