Pular para o conteúdo principal

O mito dos massacres nos EUA


Mais um – infelizmente – massacre nos EUA, mais uma vez numa escola, desta vez com a maioria das vítimas sendo crianças. Mais uma vez surge a questão acerca da liberdade de portar arma de fogo, garantida pela 2ª emenda.
            Um breve retrospecto dos massacres nos EUA demonstrará que o problema não deve ter o seu âmbito reduzido apenas à liberdade de possuir arma, tendo, muito mais, conexão com seitas religiosas ou não religiosas.
            No dia 18 de novembro de 1978, 900 (sim, novecentas) pessoas morreram na Guiana, todas seguidoras de Jim Jones, fundador de uma seita chamada Templo do Povo. O motivo de estar fora do território dos EUA foi a investigação lhe moviam as autoridades estadunidenses. O Congresso autorizou que um seu membro, Leo Ryan, fosse à Guiana investigar. Ele, acompanhado de repórteres da rede NBC, foi ao local e ali foram mortos o congressista e três repórteres. Talvez receosos pela represália, houve um suicídio coletivo. Pelo menos foi assim que o fato foi noticiado, porém se demonstrou que muitas pessoas foram obrigadas a ingerir um suco de laranja com veneno.
            No dia 28 de fevereiro de 1993, na cidade texana de Waco, depois de um cerco que durou 51 dias, morreram 76 pessoas da seita “Ramo Davidiano”. No ano de 1997, 39 pessoas seguidoras da seita “Heaven’s Gate” suicidaram-se em Los Angeles.
            Tais massacres, logo se vê, não envolvem o uso de armas. Entrando nesta seara, não se pode deixar de fazer referencia ao massacre de Columbine, ocorrido em 20 de abril de 1999, ocasionando a morte de 13 pessoas e ferimentos em 21. No Instituto Politécnico de Virginia (Virginia Tech), no dia 16 de abril de 2007, houve um ataque perpetrado por um estudante sul-coreano, em que foram mortas 33 pessoas e feridas 21. Não se pode deixar de registrar o ocorrido num cinema, quando era exibida a película “Batman”.
            Fixando-se nesses dois ocorridos em escolas e no mais recente, na cidade de Newtown, aí, sim, houve o emprego de arma de fogo, mas, analisando-se as pessoas que o cometeram constata-se até facilmente que algo de estranho ocorria com elas. Sobre o massacre de Columbine, há dois filmes: “Tiros em Columbine”(“Bowling for Columbine”), de Michael Moore (levou o Oscar de melhor documentário), em que há uma cena constrangedora, na qual ele entrevista Charlton Heston, já alquebrado, que era o presidente da poderosa NRA (“National Rifle Association”): a entrevista é interrompida pelo ator, que se retira do local. O outro filme: “Elefante”, de Gus Van Sant. Os dois rapazes que cometeram o massacre eram tidos por “esquisitões”. Michael Moore claramente quis responsabilizar a associação pelo massacre (ao menos corresponsável), pois ela, a NRA, sempre é apontada como a responsável pela não proibição de venda de armas de fogo.
            No episódio de Virginia Tech, o sul-coreano havia enviado material a uma rede de televisão no qual comparava-se a Jesus.
            No de Newtown, a mãe do matador era “prepper”, um movimento (poderia dizer seita?) que acredita que a qualquer momento o mundo se acabará. Não, não como agora,  que muitos acreditam no fim do mundo segundo uma pseudo profecia maia, ou seja, o fim do mundo com data certa. Para os “preppers” (também chamado o movimento de “survivalist”), o mundo se “acabará” a qualquer momento não apenas no sentido físico, mas sim podendo ser um colapso em que tudo faltará. O canal NatGeo apresenta uma série em que essas pessoas são mostradas: elas acumulam víveres de toda espécie, fazem prática de sobrevivência na selva, aprendem a atirar e outras atividades semelhantes. A mãe do matador tinha armas em casa e ensinava os filhos a atirar. O curioso é que somente após a apontam-se esses dados bizarros dos matadores.     
            Embora muitos digam, não há prova suficiente de que apenas a liberdade de ter arma seja a responsável pelos massacres. Ademais, seria conveniente "dar uma olhada" no estudo que vasculhou a taxa de homicídios por 100.000 habitantes em quase todo o mundo: ao passo que no Brasil, que tem uma lei duríssima que regulamenta o porte de arma a taxa é de 21,0, nos Estados Unidos essa taxa é de 4,2. Não dá nem para comparar. Voltarei ao assunto.

 (Acima, a foto da tragédia de Waco, Texas.)

http://youtu.be/pTeWc1fG1Jk - Um vídeo sobre Jonestown.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …