Pular para o conteúdo principal

Abraham Lincoln


No ano de 1968 foi lançada uma música chamada “Abraham, Martin and John”, e uma das gravações era de uma comediante chamada Moms Mabley. Não sei se sempre, mas ela lembrava a "Catifunda", personagem de Zilda Cardoso, inclusive pelo charuto. As palavras iniciais da canção eram estas: has anybody here/ seen my old friend Abraham/ Can you tell me where he’s gone?/ He freed lotta people/ but it seems the good they die young/ You know I just looked around and he’s gone. A música, como o nome já demonstra, era uma homenagem a 3 heróis da história dos EUA. Na canção há outro herói: Bobby Kennedy.
            Não pude deixar de pensar nessa música ao assistir ao filme “Lincoln”,  de Steven Spielberg, com Daniel Day-Lewis, Sally Field, Tommy Lee Jones e um elenco de tirar o fôlego. O filme se baseou numa pequena parte da biografia de Abraham Lincoln, escrita por Doris Keams Godwin (“Team of rivals: the political genius of Abraham Lincoln”), apenas aquela parte de sua vida centrada na luta pela aprovação da 13ª emenda, a que aboliu a escravidão. Tal se deu em plena Guerra de Secessão, uma luta que durou de 1861 a 1865, e provocou a morte de mais de 600 mil americanos.
            Num dos “takes”, o presidente  afirma aos seus assessores que confiscaria os escravos dos estados rebeldes. Ante a perplexidade de todos, ele explica que as leis daqueles estados tratavam os escravos como coisas (propriedades) e pela leis da época o presidente da República poderia confiscar propriedades...
            Esse simples “take”, ou melhor, essa simples frase, em outro filme, “Amistad”, do mesmo diretor, é o tema central: versa sobre a posse de um navio espanhol apreendido pela Marinha estadunidense. A nau transportava africanos que haviam sido sequestrados para ser leiloados como escravos. Eles se amotinaram, mataram quase todos os tripulantes e assumiram o comando da embarcação. Foram aprisionados. A posse do navio e “da carga” (sim, escravos eram “coisas”, e, pois, cargas) passa a ser disputada judicialmente entre o reino da Espanha (sua rainha Isabela, uma criança), os comerciantes que alegavam possuí-los, os oficiais da Marinha estadunidense que fizeram a apreensão e uma ONG que lutava contra a escravidão e os queria soltos. A querela termina na Suprema Corte e o advogado da ONG (digo: dos africanos) nessa fase era um ex-presidente, John Quincy Adams, magnificamente representado por Anthony Hopkins: o seu discurso perante a Suprema Corte é de emocionar.
            O filme “Lincoln" não retrata o discurso proferido por Lincoln na inauguração do cemitério de Gettysburg, no dia 19 de novembro de 1863. Nos arredores dessa cidade da Pennsylvania houve uma batalha que durou 3 dias e provocou o maior número de mortos na guerra. Na inauguração do cemitério, Lincoln proferiu um discurso apaziguador, elogiando ambos os lados: em apenas 269 palavras e menos de 2 minutos ele eletrizou a plateia. Era uma das suas características: falar pouco. O filme, de forma emocionante, mostra, logo no início, alguns soldados conversando com o presidente e declamando o seu discurso.  Há um filme “B” que mostra esse discurso na íntegra e um diálogo entre o presidente e o seu Secretário da Fazenda, digno de constar nos anais da cinematografia. Chama-se "Tributo à liberdade", direção de Jack Bender ("Brinquedo assassino 3" e algumas séries como "Lost", "Alcatraz"), com Jason Robards e Lukas Haas.
            Tenho a impressão de que hoje, 29 de janeiro de 2013, assisti ao filme que “abocanhará” ao menos 3 estatuetas no dia 24 de fevereiro de 2013: melhor filme, melhor diretor e melhor ator (se não levar também o de melhor ator coadjuvante).





(Neste local, em Washington, funcionava o teatro em que foi morto o presidente Abraham Lincoln - a foto foi feita por mim.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …