Pular para o conteúdo principal

Matando por amor


Ambas as envolvidas (na verdade eram três: havia um homem no enredo) eram prostitutas, ou seja, mercadejavam – era assim que se dizia antigamente – o próprio corpo, usando-o como fonte de renda. Exerciam “a mais antiga profissão do mundo” (embora não regulamentada até hoje) na zona do meretrício[1] no bairro Jardim Itatinga.
            Logo que a minha família veio de mudança para Campinas, o que se deu no ano de 1964, a prostituição era exercida no bairro Taquaral, bem próximo da lagoa com o mesmo nome. Campinas praticamente terminava ali e o entorno da lagoa não era ainda urbanizado. As casas em que era praticada a prostituição, com a chegada de casas de família, foram obrigadas a imitar o bairro vermelho de Amsterdã:  colocar uma luz vermelha logo na entrada da casa para avisar que ali era um prostíbulo. Com a construção de mais casas, digamos, de família,  naquele bairro, houve uma tentativa de transferir os prostíbulos para outro bairro que se formava, mais adiante, o Jardim  Santana, no lado oposto à CPFL. Começaram as casas a ser construídas, porém os moradores, no período noturno, destruíam as construções. Foi, então, que se deu a mudança para o Jardim Itatinga, muito distante da cidade – quase uma viagem.
            O nome Jardim Itatinga era sinônimo de exploração da prostituição e ali a criminalidade era da mais variada ordem: tráfico de entorpecente, furtos, roubos, homicídios, e, obviamente, a própria exploração da prostituição (artigo 229 do Código Penal). Atuei no plenário do júri em alguns casos ali ocorridos[2].
            Pois as personagens femininas deste episódio ali trabalhavam e passaram a disputar o amor de um homem, tendo este optado por uma delas, o que, evidentemente, fez nascer o ciúme doentio em uma delas. Em plena tarde de um dia de semana, o "amor" de ambas, o pivô do enredo, passou na casa da “escolhida” e saíram para namorar. Ele dirigia uma caminhonete e estacionou-a debaixo de uma árvore. Abriu as portas e deitou-se no colo da escolhida. Sorrateiramente, a desprezada aproximou-se pelo lado do passageiro e desferiu uma certeira facada no coração da escolhida, matando-a quase instantaneamente, embora tenha sido socorrida. Fugiu do local.
            Foi instaurado o inquérito policial e em juízo foi decretada a sua prisão preventiva. Presa, acusada de homicídio qualificado, foi levada a julgamento e, para a minha estupefação, não era esta a sua primeira incursão nos crimes contra a vida: na cidade de Santa Bárbara d’Oeste ela havia cometido outro homicídio.
            A minha atuação não foi suficiente para convencer os jurados a ao menos reconhecer o homicídio privilegiado: foi condenada e a pena imposta foi a mínima cominada ao tipo legal, 12 anos de reclusão. Felizmente, para ela, ainda não existia a lei de crimes hediondos, o que obrigaria o juiz a fixar o regime fechado integral,
            E não sei se ela matou por amor ou por dinheiro. Afinal, ela o conheceu como um “freguês” e talvez estivesse querendo eliminar a “concorrência”.










[1] . Não sei se é mesmo a mais antiga profissão do mundo, mas talvez seja uma “profissão” que o lugar em que ela é exercida tem o maior número de nomes: lupanar, conventilho, casa de tolerância e zona do baixo meretrício são alguns.
[2] . Casos de júri e outros casos, “Glorinha e Mel”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …