Pular para o conteúdo principal

Matando por amor


Ambas as envolvidas (na verdade eram três: havia um homem no enredo) eram prostitutas, ou seja, mercadejavam – era assim que se dizia antigamente – o próprio corpo, usando-o como fonte de renda. Exerciam “a mais antiga profissão do mundo” (embora não regulamentada até hoje) na zona do meretrício[1] no bairro Jardim Itatinga.
            Logo que a minha família veio de mudança para Campinas, o que se deu no ano de 1964, a prostituição era exercida no bairro Taquaral, bem próximo da lagoa com o mesmo nome. Campinas praticamente terminava ali e o entorno da lagoa não era ainda urbanizado. As casas em que era praticada a prostituição, com a chegada de casas de família, foram obrigadas a imitar o bairro vermelho de Amsterdã:  colocar uma luz vermelha logo na entrada da casa para avisar que ali era um prostíbulo. Com a construção de mais casas, digamos, de família,  naquele bairro, houve uma tentativa de transferir os prostíbulos para outro bairro que se formava, mais adiante, o Jardim  Santana, no lado oposto à CPFL. Começaram as casas a ser construídas, porém os moradores, no período noturno, destruíam as construções. Foi, então, que se deu a mudança para o Jardim Itatinga, muito distante da cidade – quase uma viagem.
            O nome Jardim Itatinga era sinônimo de exploração da prostituição e ali a criminalidade era da mais variada ordem: tráfico de entorpecente, furtos, roubos, homicídios, e, obviamente, a própria exploração da prostituição (artigo 229 do Código Penal). Atuei no plenário do júri em alguns casos ali ocorridos[2].
            Pois as personagens femininas deste episódio ali trabalhavam e passaram a disputar o amor de um homem, tendo este optado por uma delas, o que, evidentemente, fez nascer o ciúme doentio em uma delas. Em plena tarde de um dia de semana, o "amor" de ambas, o pivô do enredo, passou na casa da “escolhida” e saíram para namorar. Ele dirigia uma caminhonete e estacionou-a debaixo de uma árvore. Abriu as portas e deitou-se no colo da escolhida. Sorrateiramente, a desprezada aproximou-se pelo lado do passageiro e desferiu uma certeira facada no coração da escolhida, matando-a quase instantaneamente, embora tenha sido socorrida. Fugiu do local.
            Foi instaurado o inquérito policial e em juízo foi decretada a sua prisão preventiva. Presa, acusada de homicídio qualificado, foi levada a julgamento e, para a minha estupefação, não era esta a sua primeira incursão nos crimes contra a vida: na cidade de Santa Bárbara d’Oeste ela havia cometido outro homicídio.
            A minha atuação não foi suficiente para convencer os jurados a ao menos reconhecer o homicídio privilegiado: foi condenada e a pena imposta foi a mínima cominada ao tipo legal, 12 anos de reclusão. Felizmente, para ela, ainda não existia a lei de crimes hediondos, o que obrigaria o juiz a fixar o regime fechado integral,
            E não sei se ela matou por amor ou por dinheiro. Afinal, ela o conheceu como um “freguês” e talvez estivesse querendo eliminar a “concorrência”.










[1] . Não sei se é mesmo a mais antiga profissão do mundo, mas talvez seja uma “profissão” que o lugar em que ela é exercida tem o maior número de nomes: lupanar, conventilho, casa de tolerância e zona do baixo meretrício são alguns.
[2] . Casos de júri e outros casos, “Glorinha e Mel”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …