Pular para o conteúdo principal

Atirando do estribo

             Quando li os autos do processo no cartório da Vara do Júri de Campinas pensei estar lendo um enredo de um filme digno de hollywood[1]: era uma perseguição policial cinematográfica. A Polícia Militar foi acionada para atender uma ocorrência de roubo de um veículo – no caso, de um caminhão baú. Algumas viaturas foram mobilizadas. Uma delas localizou o veículo. O ladrão o dirigia. Iniciou-se a perseguição. Disparos de arma de fogo foram feitos por ambas as partes, perseguidores e perseguidos. Alguns projéteis atingiram os pneus do baú. Perfuraram-no. Isso não foi o bastante para que o motorista-ladrão parasse, nem que o veículo se imobilizasse. Continuou em fuga. Os policiais perseguindo-o. Uma das viaturas emparelhou com o carro roubado. Um dos policiais militares saltou no estribo do caminhão. Sacou o revólver. Atirou no motorista. Atingiu-o. Matou-o. Cessou, por fim, a perseguição. No inquérito, a Polícia Civil não indiciou o policial militar, classificando a morte como praticada em situação de legítima defesa, própria e de terceiro. O Ministério Público não entendeu da mesma forma que o Delegado de Polícia. Denunciou o policial militar por homicídio simples. Defendi-o na instrução processual. Ele foi absolvido sumariamente. Já se havia formado o entendimento, pois o fato ocorreu após a Constituição Federal (1988), que o recurso de ofício não era mais obrigatório em caso de absolvição sumária[2]. O Ministério Público, mais uma vez, discordou da solução e interpôs o recurso em sentido estrito[3]. Apresentei as contrarrazões. Depois de alguns dias encontrei o policial militar, que, nessa época, estava prestando serviço no fórum. Todo contente, deu-me os parabéns pela “vitória”. Ele soubera da absolvição, porém não sabia da interposição do recurso. Fui obrigado a contar que o Ministério Público recorrera. A alegria esvaneceu-se.
            Aposentei-me sem que o recurso tivesse sido julgado.


(Do livro "Casos de júri e outros casos", volume 2, a ser publicado.)



[1]. Muitos processos criminais assemelham-se em muito a um enredo de filme hollywoodiano; vale aqui a frase: “em Direito Penal, muitas vezes a realidade é mais estranha do que a ficção”, conforme Francis Lee Bailey.
[2]. Artigo 411 do CPP.
[3]. Depois do ano de 2008 tomou nova redação, ficando afastada definitivamente a obrigatoriedade do recurso oficial.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …