Pular para o conteúdo principal

Algumas pérolas jurídicas



                        Alguns erros, digamos, capitais, proporcionaram a criação de algumas séries ao estilo “pérolas”:  do ENEM, do ENADE e mais algumas. 
                        Aqui, por óbvio, não serão “pérolas” criadas por “ostras” da área jurídica, nem por alunos de faculdades de direito, pois, neste caso, seria muito fácil, já que existe uma em cada esquina, mas sim por jornalistas que no exercício de sua profissão assumem ares de juristas e dizem as maiores tolices fazendo pose de quem profere um pensamento profundo. A profundidade dos pensamentos que produzem essas “pérolas”, como dizia Nelson Rodrigues, “uma formiguinha atravessa com água pelas canelas”. Porém, no quesito “bobagem”, a profundidade é imensa.
                        A primeira foi dita por Alexandre Garcia, sim, o da Globonews. Ele tinha um programa, que na realidade era um comentário, veiculado pela Rádio Antena 1 FM por volta de 7 horas da manhã  (eu o ouvia quando estava retornando da minha caminhada). Quando a lei que criou os Juizados Especiais Federais tornou o porte de entorpecente (era a época da lei 6.368/76) uma infração penal de menor potencial ofensivo, e, portanto, passível de transação penal, permitindo, assim, a imediata imposição imediata de pena restritiva de direito e o magistrado impunha (desde que o autor do fato aceitasse) a prestação de serviços à comunidade, geralmente a doação de uma básica, o jornalista dedicou o programa a comentar a força dos traficantes, que tinham conseguido a aprovação dessa lei, e, assim, podiam continuar traficando já que não haveria punição aos usuários. Alguém havia dito a ele que era aplicável apenas aos casos de entorpecentes.
                        A segunda pérola é de data mais recente: no dia 19 de fevereiro deste ano, o âncora do Jornal da Band, Ricardo Boechat, após noticiar que aos irmão Cravinhos fora concedido a progressão prisional e que, assim, eles iriam passar a cumprir a reprimenda em regime semi-aberto, proclamou: “somente no Brasil é que uma pessoa condenada a 38 anos fica presa pouco mais de 6 anos”. Primeiro equívoco do "jurista": eles continuarão presos, só que em outro regime. Segundo equívoco do "jurista": existem países em que o condenado a prisão perpétua pode obter livramento condicional. Como exemplo: EUA, mais especificamente no estado do Texas.
                        A terceira pérola foi proferida por outro renomado "jurista", Datena, no dia 20 de fevereiro, num programa da Rádio Bandeirantes AM de São Paulo, Comentando o ocorrido na Bolívia, em que um torcedor foi morto, ele se pôs a fazer comparação entre o ocorrido no Japão, em que não havia foguetes no estádio, e na Bolívia, em que houve, e sentenciou: “a culpa pela morte é dos organizadores do evento na Bolívia”. Revogou tudo quanto se conhece em matéria de responsabilidade pessoal.
                        Pois é: com tantas faculdades de direito assim, a produção  de tantos juristas de escol era uma consequência esperada – mas não desejada.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto