Pular para o conteúdo principal

Evento internacional

  
            O Brasil está se “preparando” para receber dois grandes eventos internacionais, a Copa do Mundo e a Olimpíada: um específico, de apenas uma modalidade esportiva, e outro genérico, de várias modalidades. Já sedia alguns eventos internacionais na modalidade tênis: alguns “challengers”, um ATP 250 e um WTA. Eventos menores, estes não demandam muitos investimentos, ao contrário do que ocorre com a olimpíada e a copa do mundo.
            Depois de vir pela quarta vez consecutiva a um torneio de tênis na modalidade ATP 1000 – que na escala é abaixo apenas dos Grand Slam -, permito-me fazer algumas observações.
            Chegada – o Aeroporto Internacional de Miami é um dos mais movimentados do mundo. Em 2010, as locadoras de veículos encontravam-se espalhadas no entorno do aeroporto, de forma que era necessário ao passageiro deslocar-se por ônibus até a locadora para apanhar o carro. Em 2012 já estava construído um prédio, que parece muito um saguão de aeroporto, para abrigar todas as locadoras. Já não se utilizava mais ônibus e sim um trem. Curiosamente, o aeroporto está sempre em obras.
            Local – o Crandon Park era um “lixão” e foi recuperado para abrigar um complexo tenístico público: a quadra principal, chamada de “stadium”, tem arquibancada permanente em 3 pisos e para o torneio é montado mais um nível, o famoso “400”. A segunda quadra mais importante é o “grandstand” e há mais outras 8 quadras, numeradas, e mais quatro com letras (“a” etc). Há um estacionamento adaptado que cobra 12 dólares, sem a presença de “flanelinhas” (ou “flanelões”), “tomando” dinheiro dos frequentadores. Depois de estacionar o carro, apanha-se um ônibus, que não cobra tarifa, que leva as pessoas até quase a porta do complexo tenístico, tudo na maior ordem. Se a pessoa quiser, há um estacionamento mais próximo (VIP) ao preço de 30 dólares, também sem “flanelinha” (esta espécie não existe nos EUA – já vi até na Espanha, em Santiago de Compostela, mas era apenas um, defronte a igreja, e me pareceu ser uma pessoa com problema mental).  Depois dos jogos, faz-se o trajeto de volta.
            Cambista ao contrário – no primeiro dia do torneio, fomos abordados (já tínhamos sido nas vezes anteriores) por um americano que nos ofereceu ingresso. Perguntamos detalhes e ele respondeu que o ingresso era para o nível 400 e cada um custava 25 dólares. Esse dia o preço era o quádruplo – pensamos que era falso. Adquirimos e ele nos deu um cartão de visita com o telefone do local de venda: tudo às escâncaras. Usamos o ingresso e na volta ao “flat” telefonei ao local de venda e conversei com a pessoa. Ele me deu o endereço do seu “escritório” e no dia seguinte fomos comprar mais. O escritório era no interior de um hotel e assim fizemos todos os dias, comprando, por exemplo, ingresso de 215 dólares por 75. Essa pessoa, que é equatoriana, vive disso (não sei como e não perguntei): vende ingressos para jogos de tênis, de basquete, de fórmula Indy, futebol americano e tudo o mais. Ele disse que no próximo ano trabalhará no Brasil, vendendo ingressos para os jogos da copa.
            Ingressos – comprando o tíquete para o “stadium”, pode-se entrar em qualquer das outras quadras: o preço varia conforme o nível (há quatro 100, 200, 300 e 400); comprando-se o “ground pass”, que é bem mais barato, pode-se entrar em qualquer quadra menos no “stadium”. É uma opção. E há fiscalização:  não se tem acesso ao “stadium” sem o ingresso específico.
            Torcida brasileira – depois de 4 anos seguidos vindo ao ATP 1000 de Miami cheguei à conclusão de que os brasileiros não estão preparados para assistir a um jogo de tênis quando está em quadra um compatriota. Este ano, em que o principal tenista brasileiro, Thomaz Bellucci, chegou às oitavas de final, ficou nítido o despreparo do brasileiro para assistir a um jogo de tênis: eles se comportam como se estivessem num estádio de futebol. As frases de “incentivo” bradadas desde as arquibancadas: “Bellucci, esse game é ‘nosso’”; “Bellucci, ele está cansado”; “Bellucci, troca bola”.  Sem contar as dezenas de técnicos que ficam dizendo qual seria a melhor jogada a ser feita (já tinha visto isso antes no Challenger de São Paulo e no da Hípica em Campinas e no ATP 250 de São Paulo).
            E quando penso que no próximo ano o Brasil sediará um ATP 250, um ATP 500 e um WTA, sem contar os “challengers”, me dá calafrios, que aumentam quando penso na copa e na olímpiada.

De Miami.



           

Comentários

  1. o Brasil só está preocupado em fazer pose para os visitantes, enquanto os integrantes da casa estão descontentes e com razão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto