Pular para o conteúdo principal

O barbeiro e a "pedofilia"


 
            Alguns metros acima do prédio em que fica o meu escritório, na mesma calçada, na avenida Francisco Glicério logo após a avenida Aquidabã, foi instalado um salão de barbeiro, em que o dono era também o único que ali trabalhava. Labutava desde as 7 da manhã até por volta de 8 da noite. Talvez pela comodidade, comecei a frequentar o salão e gostei do trabalho do profissional.
            O barbeiro era (é, ainda, pois está vivo) mineiro, com aquele sotaque característico e gostava de conversar, como, aliás, todos os barbeiros. São os melhores profissionais para bater papo, igualando-se aos taxistas e aos porteiros de prédios (comerciais ou residenciais: estes sabem tudo das pessoas que ocupam esses edifícios...).
            Uma vez, enquanto cortava os meus cabelos, ele contou-me a seguinte estória: numa das noites anteriores, quando atendia um freguês, duas meninas “invadiram” o seu local de trabalho pedindo para que ele deixasse que elas ali se escondessem. Ele perguntou o motivo. Elas contaram: estavam se prostituindo na avenida Aquidabã (conhecidíssimo ponto de prostituição feminina e masculina) quando foram atacadas por alguns travestis que, incomodados pela "concorrência", pretenderam agredi-las. Elas, que eram três, fugiram: uma entrou num hotel ali na mesma avenida Francisco Glicério e as outras duas foram ao salão do barbeiro. Os travestis foram procurar pedras para atirar contra os vidros da fachada do hotel. O gerente chamou a polícia.
            O barbeiro perguntou a idade delas e uma respondeu: 13 anos. Ele disse: por que você está fazendo isso (prostituindo-se), você não tem nem pelos nas axilas (em seu linguajar, deve ter dito "no sovaco"). Ela levantou a minissaia e (estava “desapetrechada”, como dizia o coronel Odorico Paraguaçu) mostrou-lhe a genitália e respondeu: “debaixo do braço não tenho mesmo, mas olha aqui, ó...”.
            Esse fato ocorreu logo depois da sanção da lei nº 12.015/09, que alterou o Código Penal em seu Título VI – Crimes contra os costumes -, passando a chamar os delitos ali definidos de “crimes contra a dignidade sexual”, e criou a figura do “estupro de vulnerável”, artigo 217-A, que nada mais é do que uma espécie de crime sexual em que havia a presunção de violência. Depois que ele contou a história, refleti acerca do seguinte: um homem à procura de um “programa” sexual vai à avenida Aquidabã e “contrata” os serviços de uma dessas meninas, pagando-lhe alguns trocados. É apanhado em flagrante: ficará sujeito a uma pena mínima de 8 anos de reclusão no regime inicialmente fechado. Crime hediondo, ademais. A mídia abrirá manchete chamando-o de “pedófilo”.
            Fiquei pensando se uma pessoa que se propõe a pagar por sexo perguntará a uma menina que está num conhecido ponto de prostituição se oferecendo qual a idade dela: se o fizer, poderá receber como resposta uma mentira. Se não acreditar na resposta, será que ele pedirá àquela pessoa documento de identidade para saber exatamente a idade? É óbvio que não.
            Essa é a política governamental nesse tema: criminalizar a conduta. Agindo assim, os governos, federal e estadual, gastarão menos, muito menos, do que implantar políticas públicas tendentes a retirar essas meninas da rua, ou, melhor, políticas para prevenir que elas vão às ruas prostituir-se. O federal gastará menos do que o estadual, pois a este caberá, por seu Poder Judiciário, julgar o acusado; se condenado, caberá também a ele todas as despesas de manutenção do preso.
            Esta é mais uma situação em que o Direito Penal não é utilizado como, da forma que querem os doutrinadores, “ultima ratio” (em vernáculo: última razão).  É o Direito Penal sendo utilizado em lugar de políticas públicas.


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto