Pular para o conteúdo principal

O golpe do sequestro



                        Tive uma madrugada atribulada no dia 31/12/07: por volta de 3h33min (metade do anti-cristo?) acordei com o coração disparado. Fui ao pronto-socorro e – creio – o médico equivocou-se na medicação, aumentando os batimentos cardíacos (acredito que ele errou pelo pavor que ele demonstrou ao ver que a frequência cardíaca havia aumentado). Ele determinou que eu ficaria 24 horas na UTI. Não precisei ficar mais do que 6, recebendo alta de outro médico.
                        Poucos minutos fazia que estava em casa quanto soou a campainha do telefone fixo e eu atendi. Do outro lado da linha uma voz feminina, chorando, pedia socorro, dizendo que estava amarrada no mato. Em seguida, assumiu o diálogo uma voz masculina dizendo que havia sequestrado a minha filha e que eu teria que pagar para que eles a soltassem. Embora estivesse ainda sob o efeito de remédios e a minha filha estivesse no Guarujá, “levei na esportiva” e desliguei o telefone. Em seguida, chamei-a pelo celular e ela não atendeu. Alguns minutos depois, ela retornou a ligação. Era o golpe do sequestro. Foi um bom exame para o meu coração.
                        Segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013, a empregada de casa atendeu uma chamada do mesmo tipo. Eu estava no térreo (na piscina: ninguém é de ferro...) quando a vi esbaforida vindo em minha direção e contando que a minha filha havia sido sequestrada. Quando ela disse ao “sequestrador” que ia chamar o pai da vítima, pois ela era apenas a empregada e estava sozinha em casa, o “sequestrador” disse que não o fizesse, mas ela desligou o telefone e foi falar comigo. Outra vez o golpe falhou. Nos dois casos a chamada foi feita de um aparelho celular com o código DDD 21, ou seja, Rio de Janeiro. Uma reportagem na televisão mostrou que são as ligações feitas do interior de presídios.
                        Conheço muitas pessoas, algumas com instrução universitária, que caíram nesse golpe, que, a meu juízo, não era mais aplicado. Para mim estava na mesma fossa do “conto do bilhete premiado” (proximamente discorrerei sobre este).
                        Depois dessas duas tentativas, pus-me a meditar em qual crime tal conduta poderia ser tipificada. Extorsão mediante sequestro obviamente não, porque não há pessoa sequestrada. Extorsão idem, por que a ameaça, embora aparentemente seja grave, é irrealizável: se o golpista dissesse que sequestraria alguém se uma determinada quantia não fosse paga, poder-se-ia discutir a tipificação no crime de extorsão. Mas não: o sujeito ativo simula uma situação e com ela pretende auferir alguma quantia; um claro e evidente caso de enriquecimento sem causa.
                        A melhor solução penal deve ser a tipificação da conduta como crime de estelionato. Nelson Hungria, em seus “Comentário ao Código Penal”, dá o seguinte exemplo: uma pessoa vai a um depósito de ferro-velho e, anunciando ser policial, porém sem ser, ameaça prender o dono por receptação caso ele não lhe proporcione uma vantagem indevida. Para “o príncipe dos penalistas brasileiros” esse era um exemplo de extorsão, aduzindo que se fosse mesmo policial, seria concussão. Porém, a ameaça jamais seria realizável, tal qual ocorre no golpe telefônico da extorsão mediante sequestro, e, assim, falta um elemento do tipo. Ou seja: embora de forma ameaçadora, o que faz com que a vítima proporcione a vantagem é o engano. E como o engano faz parte da descrição típica do artigo 171, creio ser esta a melhor solução. Pode ser chamada de branda, mas é que melhor se ajusta ao princípio da reserva legal.

                       
                         

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O STF e a descriminalização do aborto

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …