Pular para o conteúdo principal

Respeito ao xerife


 
            No filme “Onde os fracos não têm vez”, dos irmãos Coen, que venceu o Oscar de melhor filme no ano de 2008, há um diálogo interessante entre uma jornalista e o xerife do condado (maravilhosamente – como sempre – vivido por Tommy Lee Jones). O filme foi baseado no livro “No country for old man”, de Cormack McCarthy e o diálogo é este (pagina 247):
            Jornalista – Xerife, como é que o senhor deixa que o crime saia tanto de controle no teu condado?
            Xerife – Começa quando você passa por cima das boas maneiras. Quando começa a deixar de ouvir senhor e senhora já está bem à vista.              
            No ano passado a revista Veja São Paulo trouxe uma matéria em que noticiava a existência dos “pancadões”, encontros de jovens em alguns bairros de São Paulo: reuniam-se as pessoas com os seus carros, geralmente populares ou muito velhos, com aparelhagem de som mais cara do que o próprio veículo, ligavam a música em som altíssimo, com muito álcool e quiçá drogas. Houve repressão e um dos carros apreendidos, um Palio, produzia um som mais alto do que um Boeing decolando. O assunto saiu da mídia, de modo que é razoável deduzir que a repressão funcionou.
            Campinas está entrando na era dos “pancadões”, conforme noticiaram os jornais da cidade há duas semanas. Segundo a notícia, as pessoas marcam esses encontros por meio das redes sociais – leia-se Facebook -, e, de surpresa, reúnem-se numa rua de algum bairro da periferia, incomodando a tudo e a todos: as ruas ficam intransitáveis, os moradores das proximidades ficam incomodados com tamanho barulho e - segundo a notícia – o consumo de álcool é alto, até por menores de idade.
            No Cambuí, onde moro há 22 anos, os propagadores dos “pancadões” existem às pencas e a invasão nas ruas do bairro começa na quinta-feira, período noturno. Tal qual descrito linhas atrás, são carros populares e antigos (alguns nem mais são fabricados), tocando música da pior qualidade. Não se ouve Adele, Frank Sinatra, Toquinho – creio que o que essas velharias tocam nem de música pode ser classificado, sendo puro lixo. Algumas mais parecem simples barulho.
            As Ordenações Filipinas, em seu Livro V, que passou a ser aplicada no Brasil no ano de 1603 e vigorou até a promulgação do Código Criminal do Império, punia “os que dão música de noite” (Título LXXXI). Tal norma proibia a música desde o anoitecer até “que o Sol seja saído”. Uma das penas era a perda dos instrumentos tangidos em tais cantorias.
            A Lei das Contravenções Penais pune a perturbação do sossego (ao contrário do que se pensa, não existe “lei do silêncio”, que proibiria barulho a partir das 22 horas). Além disso, o Código Nacional de Trânsito, em seu artigo 228, proíbe “usar no veículo equipamento com som em volume ou frequência que não sejam autorizados pelo CONTRAN”, sendo infração grave, com a penalidade de multa e a medida administrativa de retenção do veículo para regularização.
            Essas são as normas do “xerife”, que, conforme se constata, não estão sendo acatadas. Então a autoridade precisa começar a agir, pois é assim que os infratores começam.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto