Pular para o conteúdo principal

Respeito ao xerife


 
            No filme “Onde os fracos não têm vez”, dos irmãos Coen, que venceu o Oscar de melhor filme no ano de 2008, há um diálogo interessante entre uma jornalista e o xerife do condado (maravilhosamente – como sempre – vivido por Tommy Lee Jones). O filme foi baseado no livro “No country for old man”, de Cormack McCarthy e o diálogo é este (pagina 247):
            Jornalista – Xerife, como é que o senhor deixa que o crime saia tanto de controle no teu condado?
            Xerife – Começa quando você passa por cima das boas maneiras. Quando começa a deixar de ouvir senhor e senhora já está bem à vista.              
            No ano passado a revista Veja São Paulo trouxe uma matéria em que noticiava a existência dos “pancadões”, encontros de jovens em alguns bairros de São Paulo: reuniam-se as pessoas com os seus carros, geralmente populares ou muito velhos, com aparelhagem de som mais cara do que o próprio veículo, ligavam a música em som altíssimo, com muito álcool e quiçá drogas. Houve repressão e um dos carros apreendidos, um Palio, produzia um som mais alto do que um Boeing decolando. O assunto saiu da mídia, de modo que é razoável deduzir que a repressão funcionou.
            Campinas está entrando na era dos “pancadões”, conforme noticiaram os jornais da cidade há duas semanas. Segundo a notícia, as pessoas marcam esses encontros por meio das redes sociais – leia-se Facebook -, e, de surpresa, reúnem-se numa rua de algum bairro da periferia, incomodando a tudo e a todos: as ruas ficam intransitáveis, os moradores das proximidades ficam incomodados com tamanho barulho e - segundo a notícia – o consumo de álcool é alto, até por menores de idade.
            No Cambuí, onde moro há 22 anos, os propagadores dos “pancadões” existem às pencas e a invasão nas ruas do bairro começa na quinta-feira, período noturno. Tal qual descrito linhas atrás, são carros populares e antigos (alguns nem mais são fabricados), tocando música da pior qualidade. Não se ouve Adele, Frank Sinatra, Toquinho – creio que o que essas velharias tocam nem de música pode ser classificado, sendo puro lixo. Algumas mais parecem simples barulho.
            As Ordenações Filipinas, em seu Livro V, que passou a ser aplicada no Brasil no ano de 1603 e vigorou até a promulgação do Código Criminal do Império, punia “os que dão música de noite” (Título LXXXI). Tal norma proibia a música desde o anoitecer até “que o Sol seja saído”. Uma das penas era a perda dos instrumentos tangidos em tais cantorias.
            A Lei das Contravenções Penais pune a perturbação do sossego (ao contrário do que se pensa, não existe “lei do silêncio”, que proibiria barulho a partir das 22 horas). Além disso, o Código Nacional de Trânsito, em seu artigo 228, proíbe “usar no veículo equipamento com som em volume ou frequência que não sejam autorizados pelo CONTRAN”, sendo infração grave, com a penalidade de multa e a medida administrativa de retenção do veículo para regularização.
            Essas são as normas do “xerife”, que, conforme se constata, não estão sendo acatadas. Então a autoridade precisa começar a agir, pois é assim que os infratores começam.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …