Pular para o conteúdo principal

A soneca da jurada


 
                        Durante muitos anos atuei na Vara do Júri de Campinas na defesa de acusados que não podiam pagar advogados; pobres, nas palavras da lei. Embora fosse Procurador do Estado, atuava como defensor público, carreira inexistente então no estado de São Paulo. No começo, os julgamentos aconteciam durante os meses de março, junho, setembro e dezembro. Com o passar do tempo, passaram a ser realizados o ano inteiro.
                        Os horários variavam: durante uma época, eles tinham início as 9 horas da manhã, com uma parada para o almoço; alguns avançavam no período noturno e então jantávamos. Nos tempos das “vacas gordas”, isto é, quando havia verba, as refeições eram fornecidas por um restaurante de prestígio. No tempo das “vacas magras”, as refeições foram substituídas por lanches. Quando as vacas emagreceram mais, os julgamentos passaram a ter início no período da tarde, 13 horas. Entremeando esses períodos, havia uma funcionária na Vara do Júri que era exímia cozinheira e preparava as refeições; depois, ela se aposentou. Conta-se que montou um bufê.
                        Quando era servido almoço, era comum alguns jurados “cabecearem” de sono após a refeição na retomada dos trabalhos e o mesmo ocorria quando o julgamento avançava pela noite, após ser servido o lanche. Porém, nunca tive caso de jurado que “tirasse uma soneca”, ou, como dizia Adoniran Barbosa, “pegasse a palha” (Adoniran dizia "de noite nois pega a paia, nas grama dos jardim"): quando eu percebia que algum estava com as pálpebras pesadas, "virando os olhos", passava a falar mais alto e mais próximo dele; isso era o suficiente para despertá-lo.
                        Todavia, em Campinas, um colega advogado, precocemente falecido, enfrentou um problema pior: defendendo um réu acusado de homicídio qualificado e homicídio qualificado tentado (segundo a acusação, ele havia mandado matar a ex-namorada e o atual namorado dela; ela faleceu; ele, não), logo após o jantar, quando ele falava durante a tréplica, uma jurada “caiu nos braços de Morfeu”, dormindo a sono solto (não fiquei sabendo se ela roncou). O réu foi condenado pelas duas acusações e a pena imposta foi de 18 anos (na época do julgamento ele tinha quase 70 anos; morreria no cárcere, certamente). A contagem: 4 votos para condenar, 3 para absolver. Como teria votado a jurada “bela adormecida”?
                        O defensor, muito sabiamente, propôs um processo chamado justificação em que foram ouvidas algumas pessoas, dentre as quais o próprio escrivão, que confirmaram a soneca da jurada. A justificação acompanhou o recurso de apelação e o Tribunal de Justiça deu provimento ao recurso anulando o julgamento. O assistente do Ministério Público (“assistente de acusação”), um Promotor de Justiça aposentado, apresentou nas contrarrazões um parecer de um psicólogo – professor numa universidade estadual – em que afirmava que as pessoas que dormem nessa situação têm um sono tão superficial que não impede que elas consigam compreender o que lhes é falado (“cochilei” incontáveis vezes em frente da televisão e nunca consegui lembrar absolutamente nada do que estava sendo exibido na "telinha"). o Tribunal de Justiça deu provimento ao recurso, determinando que houvesse outro julgamento.
                        No segundo julgamento, ele foi absolvido.
                       No dia 16 de abril de 2013 estive no Tribunal de Justiça de São Paulo para acompanhar o julgamento de um recurso que interpus; enquanto aguardava o julgamento, presenciei um em que o tema era o mesmo daquele de Campinas: um jurado dormiu durante o julgamento, mas desta feita o tribunal não o anulou, sob o argumento de que o defensor não protestou, pedindo que constasse em ata a ocorrência. O que vale dizer: o advogado deste julgamento não foi tão vivaz quanto o daquele.
                       

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …