Pular para o conteúdo principal

A Suprema Corte Americana e o caso dos cães farejadores

                       A Suprema Corte estadunidense julgou no dia  26 de março passado um recurso do estado da Florida contra uma decisão da  suprema corte daquele estado que versa sobre o uso de cães farejadores na busca de provas para incriminar alguém.
                        Uma pessoa da Flórida era suspeita de tráfico de entorpecente. Agentes policiais e agentes do DEA foram até a casa do suspeito. Um dos agentes levava consigo um cão especializado em detectar pelo faro substâncias entorpecentes. O cão sinalizou que na casa havia droga e um dos agentes obteve um mandado de busca: entraram na casa e encontraram pés de cannabis sativa L., popularmente chamada “maconha” ou “marijuana”. O proprietário do imóvel foi processado com base nessa prova. Em seu julgamento, o defensor apresentou um pedido de exclusão dessa prova por haver afronta à Quarta Emenda e o pedido foi julgado procedente. Em grau de recurso, a Corte Distrital de Apelação reverteu a decisão. Porém, a Suprema Corte do estado da Flórida proveu o recurso do acusado, mandando prevalecer a decisão de primeira instância: a prova deveria ser excluída porque era uma afronta à Quarta Emenda.
                        O texto da emenda em questão é este: “o direito do povo à inviolabilidade de suas pessoas, casas, papeis e haveres contra busca e apreensão arbitrárias não poderá ser infringido; e nenhum mandado será expedido a não ser mediante indícios de culpabilidade confirmado por juramento ou declaração, e particularmente com a descrição do local da busca e indicação das pessoas ou coisas a serem apreendidas”.
                        O cerne da questão em debate é o seguinte: a conduta de policiais utilizando cães farejadores serve como base para que seja expedido um mandado de busca? A própria conduta já uma busca? E, em caso concreto, está de acordo com o disposto na Quarta Emenda?
                        A Suprema Corte (US Supreme Court), julgando o recurso interposto pelo estado da Flórida, concluiu pela resposta afirmativa, ou seja, o uso de cães (policiais) treinados constitui uma busca dentro do sentido da Quarta Emenda. Por assim concluir, determinou a mais alta corte de justiça estadunidense que prevalecesse a decisão da corte suprema estadual.
                        O caso é interessante porque o emprego de cães farejadores é uma prática que está disseminada inclusive no Brasil e embora aqui não tenhamos uma “quarta emenda (constitucional)”, há um aparato legal que pode ser utilizado para se opor a esse tipo de busca, dependendo, óbvio, de caso a caso, porque não há uma forma estereotipada de agir. Mas isto será abordado em outra oportunidade.
           


                         

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …