Pular para o conteúdo principal

A Suprema Corte Americana e o caso dos cães farejadores

                       A Suprema Corte estadunidense julgou no dia  26 de março passado um recurso do estado da Florida contra uma decisão da  suprema corte daquele estado que versa sobre o uso de cães farejadores na busca de provas para incriminar alguém.
                        Uma pessoa da Flórida era suspeita de tráfico de entorpecente. Agentes policiais e agentes do DEA foram até a casa do suspeito. Um dos agentes levava consigo um cão especializado em detectar pelo faro substâncias entorpecentes. O cão sinalizou que na casa havia droga e um dos agentes obteve um mandado de busca: entraram na casa e encontraram pés de cannabis sativa L., popularmente chamada “maconha” ou “marijuana”. O proprietário do imóvel foi processado com base nessa prova. Em seu julgamento, o defensor apresentou um pedido de exclusão dessa prova por haver afronta à Quarta Emenda e o pedido foi julgado procedente. Em grau de recurso, a Corte Distrital de Apelação reverteu a decisão. Porém, a Suprema Corte do estado da Flórida proveu o recurso do acusado, mandando prevalecer a decisão de primeira instância: a prova deveria ser excluída porque era uma afronta à Quarta Emenda.
                        O texto da emenda em questão é este: “o direito do povo à inviolabilidade de suas pessoas, casas, papeis e haveres contra busca e apreensão arbitrárias não poderá ser infringido; e nenhum mandado será expedido a não ser mediante indícios de culpabilidade confirmado por juramento ou declaração, e particularmente com a descrição do local da busca e indicação das pessoas ou coisas a serem apreendidas”.
                        O cerne da questão em debate é o seguinte: a conduta de policiais utilizando cães farejadores serve como base para que seja expedido um mandado de busca? A própria conduta já uma busca? E, em caso concreto, está de acordo com o disposto na Quarta Emenda?
                        A Suprema Corte (US Supreme Court), julgando o recurso interposto pelo estado da Flórida, concluiu pela resposta afirmativa, ou seja, o uso de cães (policiais) treinados constitui uma busca dentro do sentido da Quarta Emenda. Por assim concluir, determinou a mais alta corte de justiça estadunidense que prevalecesse a decisão da corte suprema estadual.
                        O caso é interessante porque o emprego de cães farejadores é uma prática que está disseminada inclusive no Brasil e embora aqui não tenhamos uma “quarta emenda (constitucional)”, há um aparato legal que pode ser utilizado para se opor a esse tipo de busca, dependendo, óbvio, de caso a caso, porque não há uma forma estereotipada de agir. Mas isto será abordado em outra oportunidade.
           


                         

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto