Pular para o conteúdo principal

Metralhando do interior do Gol

 
            Eram dois irmãos e na irmandade praticavam crimes juntos. Estiveram durante um tempo presos. Num dos processos contra eles, a acusação era de homicídio qualificado tentado contra um Escrivão de Polícia que morava em Campinas, porém exercia as funções de seu cargo em outra cidade. Como eram dois réus, a PAJ assumiu, por mim, a defesa de um, nomeando, para o outro, um advogado do Convênio PGE/OAB-SP. Coincidentemente, a nomeação recaiu sobre a advogada Maria Helena Campos de Carvalho, quem eu conhecia de longa data – ela havia sido minha aluna e era minha colega no magistério universitário.
            Ao ler os autos, pareceu-me inverossímil a descrição feita sobre o fato pela vítima: os dois réus, segundo ela, passaram defronte a sua casa dentro de um veículo Volkswagen Gol, um deles, o que estava no banco traseiro do carro, pôs o corpo para fora e metralhou a casa da vítima. Impossível: o automotor utilizado no crime era daquele modelo em que a janelas da parte traseira não permitiam que os vidros fossem abertos.
            No julgamento, foi ouvida a vítima e ela manteve a versão inicialmente apresentada, a dos irmãos metralhando a sua casa a partir do interior de um Volkswagen Gol. Dada a palavra ao Ministério Público, ele pugnou pela absolvição dos réus – não acreditou no que foi dito. Pela defesa, em primeiro lugar manifestou-se a Dra. Maria Helena que, depois da saudação de praxe, anunciou publicamente que aquele seria o meu último júri pois naquela data – 26 de agosto de 2003 – eu cumpria tempo para aposentar-me. Era verdade: cumpria 35 anos e 6 meses de serviço público (os 6 meses eram referentes a um acréscimo trazido pela reforma da Previdência de 1998). Porém, não pensava em me aposentar. Obviamente, ela, secundando o pedido do Promotor de Justiça, requereu a absolvição, mesma atitude por mim tomada. Na minha fala, agradeci a lembrança, porém não disse nada acerca da minha aposentadoria: é que eu não pensara ainda sobre o tema. E, obviamente, também requeri a absolvição.
            Os réus foram absolvidos. E eu passei os seis meses seguintes tendo que responder “não” à pergunta: “é verdade que você vai se aposentar?”.
            Aposentei-me, sim, mas dali quase 5 anos, em fevereiro de 2008.



(Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume 2, a ser publicado.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …