Pular para o conteúdo principal

O riso, o aplauso e o desacato


  
                        O desacato (ainda) é um crime contra a Administração Pública, classificado no Capítulo II do Título XI do Código Penal; está entre os crimes praticados por particular contra a Administração Pública. Ou seja: cometido por alguém que não é funcionário público contra alguém que é funcionário público. É discutida a possibilidade de um funcionário público praticar o delito contra outro funcionário, do superior hierárquico praticá-lo contra o subalterno e vice-versa, mas estas questões serão abordadas em outro momento.
                        O crime está definido no artigo 331 do Código Penal e tem a seguinte dicção: “desacatar funcionário público no exercício da função ou em razão dela”, com a pena de detenção, de 6 meses a 2 anos. É infração penal de menor potencial ofensivo, alcançada pela Lei 9.099/95. Para que seja configurado o delito é necessário, portanto, que o funcionário público – que é a face da Administração Pública – seja ofendido durante o exercício da sua função ou em razão dela.
                        Heleno Cláudio Fragoso, advogado e professor universitário, autor de importantíssimas obras, dentre as quais “Lições de Direito Penal”, em outro livro (“Decisões criminais comentadas”) analisa um processo que tramitou no Supremo Tribunal Federal versando sobre este delito. Durante uma audiência criminal na comarca de São Paulo, cansado de ter as suas reperguntas indeferidas pelo magistrado, o advogado riu; Sua Excelência (talvez quisesse ser chamado de Vossa Alteza ou ainda de Vossa Santidade...) entendeu que estava sendo desacatado e “deu voz de prisão” ao causídico (detesto este termo...). Ele foi condenado, o processo percorreu todas as instâncias possíveis e a mais alta corte manteve a condenação. Heleno Fragoso discorre maravilhosamente sobre o tema, invocando até as lições de Pavlov (“Reflexos condicionados e inibições”), concluindo que o riso, no caso, foi normal naquela situação, que poderia comportar até o choro (“rir para não chorar”). Eu completo: até vomitar.
                        Em recente caso julgado pelo Superior Tribunal de Justiça, uma ordem de “habeas corpus” foi concedida para “trancar” um processo crime em que era réu um advogado, acusado de desacato contra o Promotor de Justiça. Consta do acórdão que a atitude do “causídico”, que o tribunal classificou de “deselegante”, consistiu em aplaudir o Promotor de Justiça (Sua Alteza...) quando este requereu ao juiz presidente do Tribunal do Júri que formulasse quesitos sobre o crime de falso testemunho que teria ocorrido durante o julgamento. O aplauso - incabível na situação - foi visto inicialmente como ofensa à Administração Pública. E o Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu uma ordem de "habeas corpus" à advogada de Lindemberg Alves, Ana Lúcia Assad, que estava sendo processada pelo mesmo delito porque durante o julgamento em plenário disse à juíza que ela precisava "voltar a estudar".
                         Acontecimentos distantes no tempo várias décadas, com soluções judiciais diversas.  É feio ser deselegante ou mesmo grosseiro, é falta de educação, urbanidade, civilidades, etc, mas daí a configurar crime vai uma distância enorme. Afinal, o Direito Penal deve ser utilizado como “ultima ratio” - em vernáculo, "última razão".

           

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …