Pular para o conteúdo principal

As várias mortes do prefeito (capítulo 14)


No dia 26 de setembro, foi ouvida a proprietária do veículo Vectra prata, de quem ele fora roubado no dia 24 de abril daquele ano, por volta de 9,15 horas, por dois desconhecidos, um de cor parda, o outro ela não conseguiu ver; o fato ocorreu em Uberlândia. Apresentou riqueza de detalhes, bem como documentos (boletim de ocorrência, recibo de quitação de sinistro e outros).
                        No dia seguinte, 27 de setembro, foi expedido ofício pela autoridade policial ao Juiz de Direito Corregedor e da Polícia Judiciária para que a empresa operadora de telefonia fixa, Telefônica, fornecesse a relação dos telefonemas feitos para os números 32313900 e 32311325, instalados na Delegacia Secional, no dia 25 de setembro, entre as 19,30 e as 20,00 horas; não esclarecia o motivo. Retificou, por outro ofício, a data: 24 de setembro.
                        Neste mesmo dia, o Delegado Seccional de Polícia requereu, por ofício, ao Juízo de Direito da 1ª Vara Criminal da comarca de Uberlândia, MG, a autorização para a remoção da cadeia daquela cidade para Campinas, de Flávio Aparecido Garbin[1], a fim de que fosse interrogado. Justificava o pedido afirmando que se tratava de membro de “perigosa quadrilha” que “estava agindo no eixo Campinas/Uberlândia”. O principal motivo: investigar a morte do prefeito. Foi deferida a remoção. A Delegacia de Repressão a Furtos/Roubos de Veículos de Uberlândia havia feito uma comunicação acerca do furto daquele Vectra prata, na qual se lê o seguinte: “há fortíssimos indícios de que Marco Antônio Ferreira esteja envolvido neste crime (a morte do prefeito), bem como em vários outros roubos de veículos ocorridos nesta cidade de Uberlândia”[2]. Flávio Garbin foi ouvido, no dia 1° de outubro (embora o termo equivocadamente tenha a data de 1° de setembro, antes, portanto, da morte do prefeito...) no interior do Centro de Detenção Provisória Campinas/Hortolândia[3]: confessou haver matado, durante um roubo a uma farmácia, um sargento da Polícia Militar, fato ocorrido no mês de maio de 2.001, 19,30 horas; permaneceu foragido por um mês, tendo sido levado por sua irmã até Uberlândia, “atendendo convite de seu amigo Paulinho”; no dia 25 de setembro de 2.001 participou de um roubo a uma casa lotérica naquela cidade, em companhia de “seu comparsa Daniel”, tendo sido preso e autuado em flagrante delito, ao passo que Daniel morreu “durante troca de tiros com policiais militares”. Especificamente indagado onde estava no dia 10 de setembro, entre as 20,00 e 23,00 horas, respondeu que estava “jantando na residência de uma tia de Paulinho”, negando, assim qualquer participação na morte do prefeito; afirmou, ainda, nunca ter subtraído, juntamente com seus “comparsas” Daniel e Paulinho, veículo Vectra na cidade de Uberlândia.




[1]. Segundo consta do ofício, Flávio estava com prisão preventiva decretada no processo da 3ª Vara Criminal da comarca de Campinas (n° 1.060/01), sob a acusação de haver participado de um roubo seguido de morte; o morto era sargento da polícia militar.
[2]. Este personagem tem a seguinte história: locou uma casa em Uberlândia, pagou o aluguel adiantado, vedou o portão da garagem do imóvel soldando uma folha metálica “dificultando a visão de fora para dentro do imóvel”, mas antes disso o proprietário do imóvel viu na garagem um Vectra de cor prata, placas GVF 5346, de Uberlândia; tinha visto, também, que a casa locada estava sem mobília. Depois que o veículo foi visto, o locatário desapareceu sem avisar. Investigando o fato, descobriu a polícia mineira que aquele veículo era “clonado”: o veículo original pertencia a Carlos Armando de Oliveira.
[3]. Nessa época, esse centro de detenção era reservado aos presos em RDE - regime disciplinar diferenciado -, regime prisional diabólica e ilegalmente criado por resolução da Secretaria de Administração Penitenciária, para o encarceramento de presos dos presídios da região de Campinas que criassem problemas. Quase uma “supermax”, ou “cadeia da cadeia”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …