Pular para o conteúdo principal

Briga na festa junina



 
            Era período das festas juninas e uma delas estava ocorrendo numa casa num bairro que, naquela época, era considerado afastado, mas que hoje não parece tão distante em face do grande crescimento da cidade. A casa era modesta. Certamente as bebidas servidas eram o tradicional “quentão” e, óbvio, cerveja, sem faltar a bebida brasileiríssima, a pinga.
            Houve uma discussão entre dois convivas e um deles sacou um canivete, cuja lâmina alcançava alguns centímetros (na minha infância, na cidade em que eu a passei, tal arma “branca” era chamada de “pica-fumo”, pois era comum qualquer pessoa que fumasse portar um desses para “picar” o fumo de corda e confeccionar um “picadão”), e desferiu um golpe no abdôme do seu , ferindo-o sem gravidade. Foi apenas um golpe. O Delegado de Polícia classificou o fato como lesão corporal, porém o Ministério Público resolveu classifica-lo como homicídio (simples) tentado[1]. O réu foi pronunciado e o julgamento designado. Não era um caso difícil: réu primário,  trabalhador, lesão sem gravidade. Poderia ser requerida a desclassificação para lesão corporal. Levando em conta todas essas circunstâncias, perguntei a um dos Estagiários se ele gostaria de falar alguns minutos[2] e a minha pergunta era mais motivada pelo seguinte fato: num júri anterior, esse mesmo estagiário preparou-se para falar, mas quando o magistrado soou a campainha e disse aquela tradicional frase “a defesa tem a palavra pelo tempo regulamentar de 2 horas”, o estagiário petrificou-se: parecia tetraplégico, somente conseguindo mover a cabeça para, balançando-a de um lado a outro, dizer “não”, que não conseguiria falar.
            Na segunda oportunidade, esta da briga na festa junina,  em sua fala ele analisaria o laudo de exame de corpo de delito para mostrar que o ferimento não fora grave. Gastaria, segundo ele, 30 minutos, para essa análise. Chegou a sua vez. Ele apanhou o processo. Dirigiu-se aos jurados. Parou defronte eles. Abriu os autos no local em que estava o laudo, Pôs-se a analisa-lo. Depois de 15 minutos ele não tinha mais o que falar. Começou a olhar para trás, em minha direção, como se pedisse socorro. Entendi o pedido. Fui em sua direção. Agradeci a sua intervenção. Assumi a defesa.
            Foi um enorme progresso: no júri anterior não tinha conseguido falar  e neste falou, ainda que por somente por 15 minutos.
            A tese de defesa foi acolhida: o fato foi desclassificado para lesão corporal. E esse estagiário depois prestou concurso para o Ministério Público, foi aprovado e não se dedicou ao júri.






[Capítulo do livro "Casos de júri e outros casos", volume II, a ser publicado.]











           








[1]. Artigo 121, “caput”,  combinado com o 14, inciso II, do Código Penal.
[2]. Eu tinha esse hábito de permitir que os estagiários falassem por alguns minutos: é a única forma da pessoa saber se tem aptidão para atuar nos julgamentos do tribunal do júri.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

William Waack e o racismo

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …