Pular para o conteúdo principal

Caixas eletrônicos, arrastões etc e as finalidades da pena


 
            No estado de São Paulo - e em algumas partes do Brasil - o público assiste, impotente, a uma onda de delitos contra o patrimônio nunca antes vista e com uma característica interessante: a migração – pode ser chamada de mutação – de uma modalidade a outra. Inicialmente foram os arrombamentos de caixas eletrônicos com o uso de maçarico e quase concomitantemente a “saidinha” de banco. Depois vieram os “arrastões”, inicialmente em bares e restaurantes. Essa modalidade passou a ser praticada em festas a que acorrem um número incontável de pessoas – como, por exemplo, na “virada cultural”. Como novidade, veio a “gangue da marcha a ré”. O que leva as pessoas a descaradamente praticarem esses delitos, muitas vezes sendo filmados por câmeras  de segurança?
            Muito se tem escrito e falado acerca da finalidade da pena: a discussão teve Sêneca (4 a.C. – 65 a.C.), Platão (348 a.C. – 427 a.C.), e outros mais recentes, como Hegel, Bentham, Kant e outros mais. Desprezando as “absolutas” (pune-se porque pecou”), por ser absolutamente impraticável em tempos de dignidade da pessoa humana, é de se trabalhar sempre com a relativa (“pune-se para que não peque”), ou, quando menos, com uma mista (“pune-se porque pecou e para que não peque”). O Código Penal deixa claro no artigo 59, que trata da aplicação da pena, que aqui se adotou uma teria mista, ao dizer que a pena será escolhida em quantidade suficiente para reprimir e prevenir o crime. As teorias relativas (também chamadas de preventivas), “pune-se para que não peque”, pretendem que, ao punir o criminoso com a pena, desestimule-o de voltar a cometer outro (s) ilícito (s), bem como que desencoraje os demais a praticarem o delito. A prevenção que atua sobre o condenado é a especial; a outra, a geral.
            Quando a prevenção especial atua, o condenado não pratica outros crimes, ou seja, não reincide; a geral, atuando sobre os pretensos e futuros delinquentes, faz com que se sintam desestimulados. É aqui, na prevenção geral, que o sistema punitivo está falhando, o que indica que a pena não está atingindo uma de suas finalidades. Certamente, isto serve para estimular os críticos – e sempre há vários – a retomarem o seu velho ramerrão no qual pedem reformas para que a lei seja mais severa. Esta é sempre uma solução fácil e que não redunda em redução da criminalidade.
            O que faz com que os níveis de criminalidade sejam diminuídos é simplesmente a aplicação da lei penal, o que não tem ocorrido. Basta ver o “campo escuro” ou “cifra negra” desses vários delitos patrimoniais para que se constate que uma parcela ridícula desses delitos patrimoniais é descoberta e o seu autor punido. Ora, se nem a lei que hoje existe é convenientemente aplicada, de nada adiantará alterá-la, pois ela continuará a não ser aplicada.
            Essa migração ou mutação e a quantidade de crimes patrimoniais dão clara mostra de que a pena não tem atingido uma das suas finalidades, a prevenção geral e claramente isso se dá pela falta de aplicação da lei.  



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …