Pular para o conteúdo principal

Estilo Larry David


            Para quem não conhece e nunca ouviu falar, Larry David foi um dos criadores da “situation comedy” de maior sucesso no mundo: Seinfeld. O outro criador, claro, foi Jerry Seinfeld. A série esteve no ar durante 10 anos, encerrando-se em 1998 e não houve dinheiro que convencesse os seus criadores a continuarem criando e gravando os episódios. Falou-se em 1 milhão de dólares para Jerry por capítulo. Até hoje, passados 15 anos de seu encerramento, ela continua em exibição em redes e canais, no Brasil, nos EUA e em outros países do mundo.
            A primeira vez que estive em NY foi no ano de 1998. Uma manhã, caminhando pela avenida Broadway, em Times Square, vi um rapaz, usando quipá, distribuindo folhetos em que – foi o que chamou a minha atenção – estava escrito a palavra Seinfeld. Eu já sabia, pois era fã, que seria o último ano da série e me apressei em apanhar um folheto. Ele era verde e estava escrito em letras garrafais: “Is there life after Seinfeld?”. Pegando um “gancho” no encerramento da série, cujos capítulos eram exibidos nas noites de quinta-feira, o panfleto convidava as pessoas a irem ao serviço religioso nessas noites em substituição ao programa “Seinfeld”.
            Depois do encerramento do programa, Julia Louis-Dreyfus – aliás, Elaine Benes – participou de algumas séries (“As aventuras de Christine”, “Veep”- esta, ainda em exibição); Michael Richards – aliás, Cosmo Kramer – meteu-se em uma confusão ligada ao racismo; Jason Alexander – aliás, George Costanza – fez “ponta” em um ou outro capítulo de algumas séries (“Monk”, por exemplo): Jerry nunca fez nenhuma série, porém fez uma animação belíssima: “Bee”.
            Depois de algum tempo do encerramento, Larry David criou a sua série: “Curb your enthusiasm” (no Brasil: “Segura a onda”). Quando ele foi contratado, o primeiro capítulo que apresentou à televisão tinha 31 minutos e lhe foi dito que não poderia exceder os 30 minutos. Ele o refez com a duração de 29 minutos e 59 segundos. Ele é o principal ator (há participações especiais de famosos, como os do elenco de “Seinfeld”)  e existem passagens politicamente incorretas ao extremo. Uma delas: num bar, ele começa a flertar com uma moça e ao dirigir-se a sua mesa, percebe que ela é “cadeirante” (detesto este termo: tem conotação de profissão [negociante, sitiante, comerciante]). Iniciam um namoro e, descontente, ele resolver terminar o idílio, escolhendo, para tanto, um restaurante: durante o jantar dar-se-ia o rompimento. Chegam ao local e há uma grande fila de espera, porém, pelo fato da moça ser deficiente, dão-lhes preferência e eles conseguem uma mesa rapidamente. Por conta disso, ele decide não mais romper o namoro.
            Uma das características de seu personagem, notada em muitos capítulos, é o da pessoa que discute por motivos de somenos importância e as discussões chegam a irritar o telespectador – no meu caso, sempre – de tão tolas. Observando o comportamento de muitas pessoas atualmente, constata-se que elas agem com essa característica “Larry David”. Constatei isso hoje numa loja de Campinas enquanto pagava a compra que fiz: aproximou-se um freguês com um papel na mão e a pessoa que me atendia disse àquele freguês que ele deveria dirigir-se a outro local e apontou a direção. Pois o consumidor respondeu que alguém da loja havia dito que ele deveria dirigir-se àquele caixa e blá-blá-blá (para lembrar “Seinfeld”). Larry discute por nada; na “sitcom” de maior sucesso o tema era “nada”. “Seinfeld”: a melhor série sobre nada, era o mote.
            Podem olhar a sua volta: vocês sempre encontrarão entre os seus parentes, amigos e conhecidos alguém com esse estilo “Larry David”.
(A propósito: a série "Seinfeld" é exibida no Canal Sony [49 e 549 NET]; "Curb your enthusiasm" é exibida nos canais HBO Plus * [77] e HBO Signature [78]).
Link do trailer de "Curb your enthusiasm:
http://youtu.be/RhWbn-1IkPE
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

A morte do prefeito

Aquela tinha sido em Campinas uma segunda-feira como todas as outras de fim de inverno, quase início de primavera: ensolarada, quente e com bastante trabalho, mais parecendo um dia de verão. Aulas no período da manhã na Faculdade de Direito da PUCCamp, audiências no período da tarde na Vara do Júri da comarca de Campinas, com uma ida antes e outra depois à Seccional de Assistência Judiciária da Procuradoria Regional de Campinas. Aulas também no período noturno. Por volta de onze e meia da noite, quando já estava preparado para dormir, soou o telefone fixo de minha casa. Pelo horário, um telefonema pode ser sintoma de má notícia: era, mas não envolvendo ninguém da família. Do outro lado da linha, uma parente, emocionada, dizia, aos prantos, para ligar a televisão num canal local: o Prefeito Toninho havia sido morto. Liguei o aparelho e me inteirei da notícia. O susto foi imenso, porém nada havia a fazer senão dormir. Mal imaginava de depois de aproximadamente um ano eu estaria atuando …

O STF e a descriminalização do aborto