Pular para o conteúdo principal

O Direito Penal e os animais


  
                        Nos presentes dias, os animais são tratados quase como humanos – em algumas hipóteses, até melhor. Pululam as lojas especializadas em artigos para mascotes, onde de tudo pode ser encontrado para satisfazê-los (e aos seus proprietários, evidentemente). No projeto do Código Penal que ora tramita no Senado Federal, a pena para quem omitir socorro a um animal é mais grave do que a prevista para a omissão de socorro de pessoa (humana). Claramente, essa opção viola o princípio da proporcionalidade das penas, mas é possível que tal desvio seja corrigido – afinal, o projeto está em tramitação, podendo (e devendo, em alguns casos, como o presente), sofrer alterações por meio de emendas.
                        Porém, nem sempre foi assim. Os animais – por alguns chamados de “bestas” (este nome também servia para designar o demônio) – durante largo tempo não apenas foram tratados como irracionais que apenas serviam ao homem, mas, em alguns casos, eram julgados por juízes e tribunais como sujeitos ativos de delitos. Luigi Ferrajoli, na sua clássica obra “Direito e razão” (“Diritto e raggione”), relata um caso em que um galo, num estado norte-americano, foi condenado à morte; não descreve o crime (talvez não tenha cantado e despertado o seu dono na hora certa? Não “deu conta” do plantel de galinhas a seu cargo?), nem a forma de execução (talvez na panela...); Mirabete (“Manual de Direito Penal”, volume 1), comenta o caso de uma porca, que recentemente havia parido uma ninhada de leitõezinhos, que foi julgada e condenada, sendo imposta a pena de morte. Os leitõezinhos foram, por assim dizer, “anistiados” (a pena não passou da “pessoa” do condenado – e naquela época passava...). A forma de morte não está descrita no texto. Em outra obra editada no Brasil, escrita em homenagem ao ministro Nelson Hungria, há o relato de umas formigas que estavam destruindo uma igreja no Maranhão e foram processadas (fico imaginando o trabalho que teve o oficial de justiça para citar todas – talvez tenham optado pela citação edital... [mas o autor do artigo não esclarece isso...]).
                        De outro lado, nas Ordenações (do Reino) Filipinas, Livro V, que descrevia os crimes e cominava as penas, punia o homem que fizesse sexo com “alimárias”[1], a famosa zoofilia: qualquer homem, ou mulher, que carnalmente tiver ajuntamento com alguma alimária, seja queimado e feito em pó” (Título XIII, “dos que commettem pecado de sodomia, e com alimárias”). Ajuntamento carnal era o eufeminsmo para - hoje - fazer amor, transar e outras expressões chulas.
                        Quanta alteração com o passar do tempo: de sujeito ativo de delito e portanto, punível, passou quase a ser sujeito de direitos, com punição maior do que aquela reservada à pessoa humana; hoje, quem quiser ter “ajuntamento carnal com uma alimária”, como na música (maravilhosa) “Geni e o zepelim”, de Chico Buarque ("E a deitar com homem tão nobre/Tão cheirando a brilho e a cobre/Preferia amar com os bichos"), poderá fazê-lo sem susto (e com prazer, claro...), pois é um indiferente penal. Porém, não poderá fazê-lo em público, pois cometerá o crime de ato obsceno...




[1] . Qualquer animal, especialmente quadrúpede; besta de carga (conforme o dicionário Houaiss).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mulher honesta no Código Penal

O Código Penal de 1940 (que entrou em vigor no ano de 1942, a 1º de janeiro) trazia no artigo 215 – crimes contra os costumes - a descrição da conduta criminosa chamada “posse sexual mediante fraude”. Era, por assim dizer, o oposto do estupro, que vinha descrito no artigo 213, em que a conjunção carnal era obtida mediante o emprego de violência ou grave ameaça. Na “posse”, a conjunção carnal era obtida com o emprego de fraude, o que levou algum doutrinador a apelida-la de “estelionato sexual”. A descrição típica era esta: “ter conjunção carnal com mulher honesta, mediante fraude”, com a pena de reclusão, de 1 a 3 anos. O artigo seguinte (216) definia o crime de atentado ao pudor mediante fraude, assim redigido: “induzir mulher honesta, mediante fraude, a praticar ou permitir que com ela se pratique ato libidinoso diverso da conjunção carnal", com a pena de reclusão de 1 a 2 anos. O emprego do conceito “mulher honesta”, ou somente “honesta” vem de longa data, desde as Ordenações Fi…

O cunhado de Ana Hickmann e o excesso na legítima defesa

Dia de branco

Durante a minha adolescência era comum dizermos no domingo à noite: “vamos embora que amanhã é dia de branco”. Ou: “segunda-feira é dia de branco”. Ninguém sabia o significado destas palavras, mas, para nós, significava que deveríamos nos recolher porque no dia seguinte trabalharíamos. Depois de quase 50 anos passados dessa época, e tendo em vista o que li num jornal local, resolvi pesquisar no Google o significado da expressão. Tudo parece fácil hoje: basta abrir o “site” de busca e digitar o que se pretende buscar. Pois bem, digitada a expressão, surgiram várias referências e a que me chamou a atenção foi a do Yahoo, em que é escolhida uma resposta dentre as várias ali postadas. Transcrevo algumas: 1. “É uma frase extremamente preconceituosa e racista, e que vem sido citada desde o início do século passado. Seria como dizer que os negros são vagabundos e só os brancos trabalham.”;
2. “ouvi dizer q na época de escravidão, sábado e domingo eram a folga dos negros na época …